10 Comentários

A restituição da mulher

restituicaoDe acordo com a direção que o Espírito Santo deu ao pastor Márcio Valadão para a Igreja Batista da Lagoinha, 2014 é o ano da Restituição. Quando comecei a pensar em escrever sobre este assunto, vi que temos muitas coisas a aprender, por isso gostaria de iniciar, a partir de hoje, uma série de reflexões sobre Restituição então, aceite meu convite e embarque comigo nessa viagem ao passado, para podermos analisar o presente e tentar assim, fazer o futuro como Deus deseja.

Aperte o cinto, pegue sua “bagagem” e boa viagem. De acordo com o dicionário, restituir é entregar alguma coisa a quem ela, por direito, pertencia. Quando se fala em restituição, de uma forma geral, pensamos em algo material e que vamos receber o que nos foi roubado, levado. Cantamos a plenos pulmões “eu quero de volta o que é meu”, mas você já pensou que este é o ano de você restituir algo que tenha levado de alguém? Você já ouviu alguém dizer ou cantar: “eu vou devolver o que levei, vou restituir ao que lesei”?

Na conhecida história de Zaqueu (Lucas 19), vemos o coletor de impostos mais famoso da “paróquia” prometer a Jesus, depois de tê-lo recebido em sua casa, em seu coração, que se tivesse roubado a alguém, ele devolveria duas vezes mais, ou seja, Jesus entrou e logo Zaqueu pensou em entregar e não em ganhar.

Temos vivido um evangelho de buscar só as bênçãos, aquilo que temos que receber por direito, afinal somos filhas, herdeiras e podemos tudo. Fazemos campanha no monte, jejuns, clamores, pedindo, reivindicando, cobrando de Deus a liberação das bênçãos sobre nós. Queremos sempre receber aquilo que cremos ou pensamos pertencer a nós, ou algo que já foi nosso e não é mais, queremos ter novamente. Isso não é pecado ou errado, mas precisamos parar, pensar e tomar cuidado, e pedir sempre que o Senhor sonde nosso coração. Será que o que estamos buscando é mesmo nosso? O que realmente é importante que Deus restitua na nossa vida? Será que queremos com toda intensidade, que Ele nos restaure, como Paulo orou, a alegria da salvação? O fogo da paixão pelas vidas que já não queima mais em nós?

O tempo que passávamos em adoração e lágrimas sem pedir nada, apenas no deleite da Sua presença? O amor e a comunhão genuínos por nossos irmãos, sem interesse e sem hipocrisia? Ah, sei que esta é a direção que Deus tem dado ao nosso pastor e, como sua ovelha, é o que tenho buscado para mim e para minha família. Especialmente muitas de nós mulheres, temos acumulado tantas tarefas, que não temos mais nosso tempo a sós com nosso Amado, não ficamos mais como Maria, aos pés de Jesus para aprender dEle e amá-lo e, quando tiramos um tempinho é para pedir, pedir e pedir.

Satanás sabe o poder que há nos joelhos dobrados de uma mulher, nas lágrimas de adoração, no clamor em oração, ele sabe e se ele não consegue nos parar, tenta nos empurrar, colocando tantos atrativos, distraindo nossa atenção para tantas coisas, até mesmo as mídias sociais. Quanto tempo a mulher gasta seguindo, postando, cutucando, curtindo, comentando, sabe mais sobre moda do que sobre a bíblia, mais sobre produtos de beleza do que sobre a beleza da santidade de Deus, mais sobre a vida das pessoas, do que sobre o que Deus pensa da sua própria vida.

O que você deseja que Deus restitua a você? Será que depende mesmo dEle ou depende muito mais de você mesma? E você, já perguntou ao Senhor o que você deve restituir aos outros? Será que não está devendo nada a alguém e precisa levar de volta? Sentimentos, perdão, amizade, ministério, amor. Até mesmo coisas simples que você tenha pedido emprestado e nunca devolveu, como CDs, livros, etc. Vamos começar colocando nossos corações à disposição do Espírito Santo para que Ele faça um ecocardiograma profundo e nos mostre coisas até mesmo antigas, escondidas, esquecidas, mas que precisamos consertar, restaurar e restituir em nós mesmos e na vida de alguém do nosso relacionamento.

Não há como cobrar de Deus algo que não damos, não há como querer receber o que não damos e é impossível ser abençoado se não obedecermos a Deus em tudo, nas coisas aparentemente grandes e nas que parecem ser tão pequenas. Isaías 59.1,2 nos ensina que Deus não está surdo para não nos ouvir e Suas mãos não estão encolhidas para nos abençoar, mas os nossos pecados fazem separação entre nós e o nosso Deus e por isto Ele não pode nos ouvir. Vamos pedir perdão, limpar nosso coração, liberar perdão e assim, experimentar o mais profundo e intenso mover de Deus durante todo este ano, aliás, todos os dias da nossa vida, restituindo tudo que Ele deseja a nós e aos outros, por meio de nós.

Não espere mais, comece agora.

Fotos: Internet