Estudo de célula do Jornal Atos Hoje- 17/02/2008

Achando-a põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida.” (Lc 15.5-6).

Jesus contou três parábolas em Lucas 15 para falar-nos do coração amoroso do Pai que não desiste de amar e de procurar os seus filhos. Cada parábola tem uma lição principal, que enfatiza uma faceta do amor de Deus. Vamos considerar neste texto a parábola da ovelha perdida.

A ovelha não foi perdida; ela desgarrou-se do rebanho. Foi atraída por novos horizontes, novas pastagens, novas aventuras e afastou-se do convívio das outras ovelhas. Certamente não notara o risco de cair no abismo, nem de perder o rumo nos desertos, nem mesmo a possibilidade de ser apanhada por um animal predador. A ovelha é um animal frágil, teimoso, indefeso, míope e que não consegue defender-se. Para estar segura, precisa do cuidado do pastor e da companhia das outras ovelhas.

Jesus nos conta como a centésima ovelha desgarrou-se e perdeu-se. O pastor, entretanto, não desistiu dela, nem a culpou por sua fuga inconseqüente. Antes, deixou as demais em segurança, procurou-a pelas montanhas escarpadas e valados profundos e encontrou-a em situação desesperadora. Não podendo ela andar, o pastor a tomou no colo. Em vez de sacrificá-la, o pastor alegrou-se em encontrá-la e festejou a sua reintegração no rebanho. É assim que Deus faz conosco. Ele não desiste de nos amar. Ele não abre mão da nossa vida. Ele não abdica do direito que tem de nos tomar para si e nos manter na sua presença.

Semelhantemente, Jesus não nos esmaga nem nos acusa, mas nos restaura. Não nos trata conforme nossos pecados, mas consoante suas muitas misericórdias. Vemos nesta parábola algumas atitudes de Jesus:

1. Deus nos valoriza (Lc 15.4) – O pastor poderia ter se contentado com as 99 ovelhas que estavam seguras e desistido da ovelha peralta  que rebeldemente desgarrou-se. Mas o pastor não desistiu de buscar a ovelha, ainda que fosse uma ovelha rebelde. Deus não abre mão de você. Ele não abdica do direito de ter você. Você é precioso para Deus. Você tem um valor infinito para Ele. Sua vida vale mais do que o mundo inteiro.

2. Deus nos procura (Lc 15.4) – O pastor saiu em busca da ovelha perdida. Ele veio buscar e salvar o perdido. Ele veio para os doentes. Ele veio salvar os pecadores. Deus move os céus e a terra para conquistar-nos e atrair-nos a Ele. Seu amor é eterno, sua compaixão é infinita, seu prazer é ter-nos na sua presença. Cada mensagem que você ouve, cada exortação que você recebe, cada livro que você lê é uma trombeta de Deus falando ao seu coração, uma manifestação do interesse de Deus por sua vida. Deus utiliza vários meios e muitas providências para procurar você. Ele envia seus obreiros para chamá-lo. Ele jamais desiste de amá-lo e de procurá-lo.

3. Deus desce aos mais profundos abismos para nos buscar (Lc 15.5) – O pastor correu risco para encontrar a ovelha perdida. Jesus desceu da glória. Fez-se carne. Sofreu, foi perseguido, humilhado, cuspido, pregado na cruz. Ele desceu ao inferno e suportou na sua carne o flagelo dos nossos pecados. Ele bebeu sozinho o cálice da ira de Deus contra o pecado e morreu por nós para nos resgatar da morte. Oh, bendito amor, sublime amor, incomensurável amor! Ainda que você tenha caído nos abismos mais escuros, nos despenhadeiros mais perigosos e esteja preso no cipoal dos vícios e na masmorra mais aviltante do pecado, o Senhor descerá para resgatá-lo. Não há poço tão profundo que a graça de Deus não seja mais profunda. Não há casos irrecuperáveis para Deus. Não há desistência no projeto de resgate divino.

4. Deus nos toma nos braços e nos leva para o aprisco (Lc 15.5,6) – Jesus evidencia seu imenso amor a ponto de nos carregar no colo. Ele nos toma em seus braços eternos. Ele nos toma pela sua mão direita e nos conduz à glória. Ele não sente nojo da ovelha que caiu no abismo, mas desce aos despenhadeiros mais perigosos para arrancar das entranhas da morte a ovelha que se perdeu e, encontrando-a, toma-a amorosamente nos braços e a leva para o aprisco. Não existe a possibilidade de uma ovelha viver isolada do rebanho. A igreja é um rebanho, uma família, um corpo. Precisamos uns dos outros. Fazemos parte uns dos outros. Precisamos nos congregar e nos estimularmos mutuamente.

5. Deus celebra com alegria a volta da ovelha desgarrada (Lc 15.6,7) – A Bíblia diz que há festa no céu por um pecador que se arrepende. Os anjos exultam de alegria ao verem uma ovelha sendo resgatada das garras da morte. Deus tem prazer na misericórdia e festeja nossa volta para Ele. Se na terra existem festas cheias de pompa e beleza; se aqui o som da música alegra os convivas nos banquetes e festivais, imagine a festa celebrada nos páramos eternos, na Casa do Pai. Lá, a alegria é pura, e a felicidade sem limites. O que faz trombetas celestiais repicarem e o som da música encher as mansões celestiais é o resgate das ovelhas perdidas, a volta dos pródigos, a salvação daqueles por quem Cristo morreu. Que bendito evangelho, que graça maravilhosa, que Deus bendito, que nos ama com amor eterno, apesar de sermos pecadores!

Por:Pr. Hernandes Dias Lopes