Nenhum Comentário

O amamos porque Ele nos amou primeiro

Foto: Comunicação Lagoinha

Foto: Comunicação Lagoinha

Na cruz, prestes a morrer, Jesus fez a proclamação de vitória mais importante da história humana, quando disse: “Está consumado!”. Ele cumpriu a Sua missão, e o que aparentemente foi o maior dos fracassos era, na realidade, a vitória mais incontestável. Ao render o Espírito, Ele derrotou Satanás, despojou-se de todas as hostes malignas; e, diferente do que muitos pensam, isso não aconteceu na ressurreição, mas no momento em que Jesus entregou Seu Espírito.

Em Colossenses, capítulo 2, versículo 15, diz que foi na cruz: “E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”. Um homem justo passou pela terra sem curvar-Se ao pecado. O segundo Adão não foi seduzido como o primeiro. Mesmo diante do sofrimento tão extremo, Ele venceu, obedeceu ao Pai em tudo. Passou pela vida sem contrair a dívida da rebelião. Seu sacrifício foi apresentado no Céu como pagamento pela iniquidade de todos nós. Na cruz Jesus venceu o pecado, mas era também necessário que vencesse a morte. Nos três dias que se seguiram à cruz, Ele desceu às regiões mais baixas da terra e enfrentou o inferno. Quando a justiça divina foi satisfeita e a oferta pelo pecado foi aceita, Deus O ressuscitou. Não era possível que os grilhões da morte O retivesse, de forma alguma. Em Atos, capítulo 2, verso 24, diz assim: “Ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse Ele retido por ela”. Ao ressuscitar, Jesus devolveu a vida eterna aos homens e assumiu toda autoridade nos céus e na terra. Veja Mateus 28.18, em que Ele diz: “…Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. E essa autoridade nos foi outorgada por Ele quando disse: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura”.

Por isso hoje podemos repousar sobre a graça e essa autoridade. Um homem conseguiu finalmente reaver tudo aquilo que o primeiro Adão tinha perdido. Ele é o nosso Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito do Pai, que tornou-Se o Primogênito ao nos fazer filhos e filhas do Pai celestial. Nossa fé está Nele, o centro da nossa vida é Jesus. Hoje Ele vive! Aleluia! Quando olhamos para o espelho da Bíblia, dizemos que somos cristãos; a palavra ‘cristão’ não significa aquele que é da religião de cristo, mas, sim, aquele no qual Cristo vive.

A nossa fé é essa vida, não é o nosso esforço em ter a vida cristã, mas a nossa rendição em permitir que Cristo viva por meio da nossa vida. Que glorioso é isso! Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro. Ninguém nos ama mais do que Ele, ninguém nos perdoa como Ele. Ele é o centro da nossa vida. Se hoje temos vida, é porque um dia Ele deu a própria vida para que tivéssemos vida em abundância. Glorificado seja Seu nome hoje e sempre!

Deus abençoe!

:: Pr. Márcio Valadão