Nenhum Comentário

Família protegida

Foto: Comunicação Lagoinha

Foto: Comunicação Lagoinha

Vivemos o ápice dos dias que Paulo profetizou: “Serão dias difíceis”. Não só no âmbito econômico, mas difíceis também para a família. Época em que as pessoas vivem o pior tipo de manifestação de vida familiar. A despeito de tanto avanço tecnológico, a família nunca foi tão atacada por Satanás.

Deus espera que os pais preparem e protejam seus filhos. A pergunta que sempre temos de fazer é: como será a nova geração? Muitos acham que filhos de pais cristãos são cristãos, mas isso não acontece dentro de um automatismo, existe um trabalho muito grande. Há relatos na Bíblia de história de gerações inteiras que se desviaram de Deus, mesmo sendo frutos de pais piedosos e tementes ao Senhor. Temos relatos absurdos de uma geração que se perdeu. Muitos têm uma perspectiva equivocada a respeito da criação dos filhos, acham até que, por servirem a Deus com dedicação, que o próprio Senhor se responsabilizará pelos seus filhos, e que a influência deles é suficiente para guiá-los no caminho. Essas expectativas não são honradas, porque, quando a pessoa vive dentro de um contexto, mas não procura realmente crer na realidade de que o amor é a base para o discipulado dos filhos e espera que o Senhor faça o resto, seus filhos não serão realmente discipulados. Não é só esperar que Deus faça, mas os filhos têm que se espelhar nos pais; um filho é discipulado não só de ouvir o pai falar, mas ao ver Jesus por meio da vida dele.

A falta de disciplina cria a desonra, e a rebeldia se estabelece. Há muita indisciplina entre os jovens e adolescentes porque não seguem o princípio: Cristo, a cabeça do homem; homem, a cabeça da mulher; e filhos, obedientes aos pais. Esse sistema tem sido quebrado, o inimigo, minado a família, e todos colhem as consequências disso. O papel dos filhos é a obediência aos pais, foi Deus que estabeleceu esse princípio de autoridade.

Hoje tudo é colocado no mesmo nível e, por isso, há destruição. Satanás tem procurado levar frieza aos relacionamentos, tirar do coração das pessoas o verdadeiro sentido de lar. São muitas as famílias que estão tão frias, em casa não se falam, não há diálogo. A família está diante da televisão, enchendo a cabeça de conceitos satânicos, agressivos e imorais; pais envolvidos em excesso de trabalho. A televisão, a internet e o celular têm tomado o lugar da comunhão entre os familiares. Muitas vezes conversam pelo WhatsApp, Facebook, e isso acontece até mesmo quando todos estão em casa. Tudo bem acompanhar o avanço tecnológico, mas é preciso cautela, ações assim geram total frieza, distanciamento e podem se tornar armadilhas até para tirar a vida de jovens.

O amor é a base do discipulado dos filhos. Não haverá formação de caráter em um ambiente que não seja impregnado de amor. Antes de tudo, os filhos precisam estar seguros de que são amados pelos pais. O amor é o vínculo da perfeição, jamais se esqueça dessa verdade. E esse amor precisa ser mostrado de maneira prática por meio de amizade, carinho, afeto, tempo de qualidade com eles, com manifestações físicas como abraços e beijos. Expressões de perdão e práticas que demonstrem o valor que eles têm. Nesta semana, separe um tempinho e reflita sobre seu papel no contexto familiar, volte à realidade da proposta do Criador.

Deus abençoe!

:: Pr. Márcio Valadão