Aquele que dá ouvidos à voz de Deus, ouve e pratica a Palavra dele, colhe bons frutos

Como profetas de Deus somos usados conforme a vontade dele para levarmos a Palavra. Contudo, pode acontecer de, em certos momentos, falarmos ao vento e a mensagem não chegar aos ouvidos das pessoas. E não existe nada que machuque mais o coração do que quando as expectativas falham acerca do que ensinamos. Quando após uma ministração alguém vem até mim e diz: “Pastor, eu gosto tanto da sua palavra, o senhor tem uma voz diferente, suave, doce… Eu quase durmo com ela”. Fico muito triste. Porque não prego para fazer a pessoa dormir, não prego para entreter um público, não prego para agradar as pessoas, não quero que ninguém ouça as minhas palavras, mas as de Deus. A Palavra não deve ser apenas ouvida, ela deve ser colocada em prática. A pessoa que ouve e não coloca a Palavra de Deus em prática, não a obedece, só tem a perder. Mas aquele que dá ouvidos à voz de Deus, ouve e pratica a Palavra dele, colhe bons frutos. Eu não conheço uma única pessoa que tenha colocado em prática a Palavra do Senhor e que a vida, o casamento e os sonhos tenham desmoronado. Nunca conheci e sei que nunca vou conhecer. No evangelho de Mateus, capítulo 13, verso 19, Jesus fala claramente, acerca da atitude daquele que escolhe manter-se indiferente à voz dele. Este texto é intitulado a “Parábola do Semeador”. Aquele que escolhe não se envolver com o Senhor, que adquire somente um conhecimento superficial e escolhe mantê-lo, tem também a semente, que foi lançada na sua vida, mas o inimigo vai e arrebata o que foi semeado.

No evangelho de Lucas capítulo 16, a partir do verso 29, temos a história de dois homens, o rico e o mendigo, de como foi a vida deles aqui neste mundo e o que aconteceu quando morreram (leia o texto bíblico). O rico ao ver o inferno pediu para Lázaro, o mendigo, que voltasse e avisasse a família, para que os seus se arrependessem dos pecados e recebessem Cristo em suas vidas, porém, “respondeu Abraão: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.” (Lc 16.29-31.) Os familiares do homem rico tinham Moisés e os profetas, ou seja, a Palavra. Logo, tinham que dar ouvidos a ela, colocá-la em prática, a escolha era deles. E essa resposta de Abraão valeu e continua valendo, principalmente nos dias de hoje, pois vivemos tempos difíceis. A surdez espiritual tem atingido muitas pessoas. Estas querem tudo aquilo que nada tem a ver com a Palavra do Senhor, mas ouvir a Deus e viver segundo as palavras dele é a escolha mais acertada que uma pessoa pode fazer.

Deus abençoe!