Nenhum Comentário

“Acredito pessoalmente no potencial feminino para edificar e influenciar”, diz Helena Tannure

Foto: Fanpage Helena Tannure

Foto: Fanpage Helena Tannure

Não é a primeira vez que ela ministra para as mulheres. É sempre convidada para palestras e eventos afins para tratar de assuntos diversos, não só os ligados ao universo feminino. Desta vez, porém, estará à vontade para conversar só e especificamente com elas. Helena Tannure estará à frente de um novo projeto, o Culto Femininas (leia-se “Fémininas”), que tem estreia nesta quarta-feira (30), às 19h30, no templo da Lagoinha. Com exclusividade, Helena Tannure nos recebeu para uma entrevista:

Lagoinha.com: O que diria da iniciativa e ideia do culto? Como e quando as coisas se deram até ser finalmente agendada a data certa para o seu lançamento?

Helena Tannure: Fui convidada pelo próprio pastor Márcio Valadão, em janeiro, para assumir o culto de mulheres, uma vez que não aconteceria mais o Mulheres Diante do Trono, que era liderado pela Ana Paula Valadão. Fomos conversando sobre o formato, o novo nome, até que, estando tudo definido, marcamos o dia 30 de março para o início deste projeto.

Lagoinha.com: Sobre a dinâmica, o que poderia detalhar além do fato de ser um culto voltado para temática e realidade da mulher?

Helena T.: O objetivo do Culto Femininas é proporcionar um ambiente de adoração, intercessão e reflexão sobre a Palavra de Deus, a fim de edificar a mulher, conscientizando e potencializando suas habilidades e influência na sociedade atual. Eu acredito pessoalmente no potencial feminino para edificar e influenciar. Acredito que, quando trabalhamos juntas, este potencial é estendido e pode produzir muitos frutos na construção do Reino de Deus sobre a terra. Mais que um espaço para recebermos ensino e encorajamento, acredito que será também uma oportunidade para servirmos umas às outras, às nossas famílias e à sociedade de maneira relevante.

Lagoinha.com: Visto que a faixa etária do público feminino presente pode ser variada, como pretende trabalhar os temas de modo a alcançar todas?

Helena T.: Não tenho a pretensão de alcançar a todas as faixas etárias ou classes de mulheres em todos os cultos, mas, sob a direção e condução do Espírito Santo, buscarei alcançar a todas no desenvolver do projeto. Espero que seja uma oportunidade para servirmos umas às outras, o que cumpriria o papel de alcançar todas. Há também uma parceria firmada com a Casa Rosada, ministério da nossa igreja já estabelecido e que trabalha diretamente no atendimento de várias mulheres com as mais diversas demandas, o que nos trará mais experiência e apoio.

Lagoinha.com: Qual o desafio de ministrar a um público como esse?

Helena T.: A demanda é enorme, e as questões que envolvem o universo feminino são de uma importância bastante relevante para as famílias e sociedade. Tenho dependido totalmente do Senhor para compartilhar minhas próprias experiências e, pela graça de Deus, contribuir na edificação das mulheres!

Lagoinha.com: O culto contará com convidados e/ou participações especiais?

Helena T.: Já fiz o convite à equipe da Casa Rosada e também conto com a Arieta Magrini (cantora, compositora e ministra de louvor) na condução do louvor. Eventualmente poderá haver a participação de mais alguém ou de algum ministério, se esta for a direção do Senhor. Mas a presença dEle certamente será sempre mais especial!

Lagoinha.com: No último dia 8 deste mês comemorou-se o Dia Internacional da Mulher. Na sua opinião, há mesmo o que comemorar dadas as estatísticas sobre toda sorte de abusos que têm sido cometidos contra elas, desde físicos, emocionais, até mesmo morais e espirituais? E, ainda, o que diria sobre as conquistas?

Helena T.: A comemoração é válida, mas é necessário conscientizar de que os problemas permanecem e se agravam no que diz respeito à violência contra a mulher, à exploração sexual, à imagem feminina como um mero produto e à saída da mulher da posição que Deus planejou para ela. As conquistas aconteceram no âmbito profissional, mas não vejo as mulheres mais felizes por isso. Pelo contrário, muitas percebem tardiamente que ignorar sua função, tão importante, dentro da família, produz o caos e estragos difíceis de serem restaurados na perspectiva humana. É preciso buscar o equilíbrio e retomar o verdadeiro papel da mulher de ajudadora idônea e coluna.

Lagoinha.com: Qual é ou quais são as grandes demandas e os desafios em relação às mulheres hoje, particularmente em relação às mulheres cristãs?

Helena T.: Eu sei que existem vários assuntos peculiares ao universo feminino, coisas das quais gostamos muito. Contudo, acredito que a nossa maior urgência seja desenvolver uma vida cristã saudável e coerente, que vem de um relacionamento íntimo com Deus. O primeiro objetivo deste culto é provocar a busca por este encontro, que tem poder real para transformar qualquer realidade. Seguindo-se a isso, podemos, sim, propiciar um ambiente para compartilhar dicas, bate-papos com profissionais da saúde ou da moda. Mas insisto: não precisamos de entretenimento. Precisamos viver uma vida que seja transformada para transformar.

Lagoinha.com: Uma palavra final.

Helena Tannure: Minha expectativa é que Deus reúna um grupo de mulheres apaixonadas, sedentas e inconformadas com as deformidades do nosso tempo. Minha oração é que Ele traga aquelas que anseiam por transformação em si mesmas, em seus lares, e que essa transformação transborde para além das paredes da Igreja.

:: Marcelo Ferreira [escrevaavisao@gmail.com]