Luciano Pregando PB (1)

Assim que foi divulgada a lista com algumas participações da Conferência do Espírito Santo 2013, um novo palestrante começou a despertar a curiosidade dos conferencistas. O responsável por tanto interesse é o pastor, missionário e escritor, Luciano Subirá. Para quem ainda não sabia, Luciano é pastor da Comunidade Alcance em Curitiba (PR), onde atua com o ministério de ensino e pregação da Palavra de Deus.

Casado com Kelly e pai de dois filhos: Israel e Lissa, Subirá é conhecido pelo ministério de milagres e manifestação do Espírito Santo. Muitas das suas ministrações são marcadas pelo mover de curas e milagres. Já escreveu vários livros, dentre eles “O Agir Invisível de Deus”, “Que farei deste Jesus Chamado Cristo”, “O conhecimento Revelado”, dentre outros. Realizou várias viagens missionárias ao lado da família e viaja pelo país ministrando o evangelho do poder de Deus.

Na entrevista abaixo, Subirá conta um pouco mais sobre sua experiência com o Espírito Santo e revela novidades da Conferência tão aguardada pela juventude cristã.

Lagoinha.com: É a primeira vez que você participa da Conferência do Espírito Santo? Como estão as expectativas para ministrar na vida de milhares de jovens?

Luciano Subirá: Sim, é a minha primeira vez nessa bela Conferência na Lagoinha. Mas como gasto boa parte de meu tempo, durante as minhas viagens pelo Brasil, ministrando sobre o Espírito Santo, estou me sentindo “em casa”. Estou cheio de expectativa, orando e crendo no mover tremendo do Espírito e uma liberação especial da unção de Deus sobre as pessoas, tanto nas minhas ministrações como nas dos demais preletores.

Lagoinha.com: Já tem um tema para sua pregação durante a Conferência?

Subirá: Ainda estou orando e aguardando uma direção mais clara do Espírito Santo, mas a princípio, já tenho as quatro assuntos das ministrações (duas da Conferência e duas dos cultos de domingo) pré-definidas – não necessariamente nessa ordem: 1) Relacionamento com o Espírito; 2) A Obra Interior do Espírito Santo; 3) A Operação do Poder do Espírito em Nós; 4) O Fogo do Espírito.

Lagoinha.com: Seu ministério é conhecido pelas experiências com o Espírito Santo como, por exemplo, o falar em línguas. Conte-nos sua experiência mais marcante com Deus?

Família Subirá Fundo Branco

Família Subirá

Subirá: Fui encorajado, em 1990, pela irmã Valnice Milhomens, a participar das conferências do Dave Roberson, em São Paulo. Ele enfatiza muito a prática da oração em línguas. Eu já tinha lido em alguns livros do Kenneth Hagin acerca dessa prática, mas as conferências do irmão Dave me despertaram a investir horas do meu dia orando em línguas e isso foi uma revolução na minha vida espiritual e ministerial. Foi o passo decisivo para dentro do sobrenatural.

Lagoinha.com: O que é necessário para ser cheio do Espírito Santo?

Subirá: Algumas pessoas confundem o ser cheio do Espírito com uma ou outra experiência isolada com o Espírito Santo. Penso que o grande desafio é, como diz a Escritura, andar no Espírito, viver no Espírito. Isso envolve um relacionamento com Ele. E, nessa relação, acredito que a oração em línguas tem um papel importantíssimo.

Lagoinha.com: Vivemos em uma geração cheia do Espírito Santo ou o amor tem se esfriado?

Subirá: Podemos reconhecer que temos um pouco de cada. Há muitos, como previu a Palavra de Deus, cujo amor tem se esfriado. Mas também há muitos, como previu a mesma Escritura Sagrada, que estão sendo cheios do Espírito Santo. Minha oração é que esse segundo grupo se torne cada vez maior que o primeiro e um verdadeiro influenciador sobre os que se esfriaram!

Lagoinha.com: No seu site oficial, conta-se que você recebeu Jesus aos três anos de idade. Não é muito cedo para ter a real consciência dessa decisão?

Subirá: Racionalmente falando, acredito que é mesmo muito cedo para essa experiência com Deus, contudo, entendo que o que aconteceu comigo foi algo sobrenatural. Deus abriu meu entendimento. Foi uma revelação! Isso me faz valorizar muito, até hoje, o ministério com crianças nas igrejas.

Elas estão mais prontas para receber de Deus do que a maioria imagina. Jesus afirmou que delas é o Reino dos Céus! Acho que fui meio “precoce” em tudo: fui batizado nas águas antes dos oito anos de idade (acho que isso foi uma “grande exceção” na história da denominação); chamado para o ministério aos 8 anos; batizado no Espírito Santo aos 15 anos – quando comecei a pregar nas ruas; com 18 anos já viajava pregando e aos 20, comecei a pastorear. Hoje, aos 40 anos, posso dizer que já estou há mais de metade da minha vida no ministério (risos).

Luciano ALTA (1) SLIDE

Lagoinha.com: Durante uma entrevista você utilizou a seguinte frase: “Quem quer ser como águia deve andar com as águias”. Quais são as águias que o inspiram?

Subirá: Além de alguns que me tocaram pelos livros (como Kenneth Hagin, Robert Thom, David Young Cho e outros) e conferências (como Valnice Milhomens e Dave Roberson e outros), acho importantíssimo reconhecer as marcas que recebi pessoalmente por meio do pastor Harold McLaryea (com quem trabalhei mais de 12 anos), do pastor Abe Huber (meu atual pastor e discipulador) e do meu amigo pastor Marcelo Jammal.

Lagoinha.com: Um dos seus livros você conta sobre o acidente de carro. Fale um pouco desse momento marcante na sua vida?

Subirá: Detalho essa experiência – e o que aprendi com ela – em meu livro “O agir invisível de Deus”, mas basicamente diz respeito a como o Diabo, mesmo lutando contra nossas vidas, acaba trabalhando para Deus… Um anjo explicou (numa visão aberta que um pastor teve no dia da minha ordenação ao ministério pastoral) como o acidente de carro – uma ação do inimigo contra a minha vida – acabou sendo utilizado por Deus para tratar comigo e me impedir de sucumbir debaixo do peso do sucesso do próprio ministério (para o qual eu não estava pronto na época).

Lagoinha.com: Você é pastor de uma igreja local, conferencista e escritor.  Com tantas funções, você não tem receio de “cair” no ativismo religioso como tem acontecido com alguns líderes cristãos?

Subirá: Com certeza estou sujeito à armadilha do ativismo, como qualquer outro ministério, mesmo que esteja continuamente lutando para não ser enredado nessa área. Mas não penso que o que nos leve a isso seja a quantidade de serviço prestado. Jesus tinha um ministério intenso e não se dobrou à falta de tempo com o Pai (Lc 5.15,16). Os apóstolos também trabalhavam muito, mas não abriam mão de se dedicarem à Palavra e à oração (At 6.4). Por outro lado, conheço alguns ministérios que não têm tanto ativismo e ainda assim não gastam tanto tempo com Deus! De qualquer forma, procuro guardar meu coração. Quero dar o meu máximo na obra do Senhor sem que isso me prive de estar com Ele.

Confira a ministração “Famintos por Deus” do pastor Luciano Subirá.

:: Érica Fernandes