Nenhum Comentário

Mães unidas em oração contribuem na transformação na vida dos filhos

Foto: unsplash.com

Foto: unsplash.com

Mães de joelhos, unidas pelo amor, pela fé, pela esperança e pela oração, mantêm os filhos de pé. Essa frase descreve as mulheres do Desperta Débora, ministério que reúne uma multidão de mães biológicas, adotivas ou espirituais, de qualquer denominação do Brasil. Comprometidas em orar, diariamente e intensamente, durante 15 minutos, por seus filhos, pelos filhos umas das outras e pela juventude do Brasil, elas contribuem para a transformação de milhares de pessoas.

Em 2010, com apenas 16 anos, o jovem Artur, filho de Eliane (mãe de 4 filhos e “Débora” desde 2008), entregou-se às drogas. “Foram dias turbulentos, de grandes aflições, perturbações, medo e dor”, conta Eliane, que encontrou força e ajuda no ministério. Ela lembra que as mães e a pastora Patrícia clamaram por sua família. “Eu sabia que não estava sozinha. Primeiro, Deus via minha aflição. Segundo, minhas irmãs Déboras estavam sempre disponíveis para me ajudar na batalha com suas intercessões e lágrimas”, complementa.

Os dias não foram fáceis, mas, por meio da oração, Deus lhe concedeu estratégias, ousadia e sabedoria para saber como conversar com Artur. “A Palavra de Deus foi a minha maior arma, acompanhada da oração”, diz. Alguns anos depois, em 2013, seu filho saiu do crime. Elaine conclui o testemunho afirmando que “a oração de uma mãe é como uma granada no inferno”.

Ana Flavia, casada há 25 anos e mãe de 3 filhos, também é “Débora”. Em 2013, Gabriel, seu filho mais novo, foi diagnosticado com linfoma de Burkitt, em tempo hábil para o tratamento. Ele tinha apenas 11 anos. Esse tipo de câncer, que é detectado apenas em estado muito avançado, foi identificado precocemente devido às orações. “O médico disse para mim que nós fomos iluminados”, conta.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Antes do conhecimento do câncer, Gabriel tinha apenas um caroço no pescoço e nenhum sintoma. “Em uma das reuniões do ministério, depois de já ter levado o meu filho ao pediatra e não conseguir nenhum diagnóstico, uma irmã pediu que levantassem um clamor”, lembra. Dias depois, em uma consulta com outro médico, foi informado que poderia ser algo grave. “O tratamento do meu filho durou apenas três meses, e isso só foi possível devido ao diagnóstico precoce. Creio que as orações direcionaram e fizeram toda a diferença no tratamento”, complementa. Para a glória de Deus, hoje, o filho de Ana tem 14 anos, muita saúde e nenhuma sequela.

Na Lagoinha Sede, as reuniões do Desperta Débora acontecem no Espaço Elas e na Capela, onde, toda 1ª quarta-feira do mês, às 15h, tem o culto “Mães de joelhos, filhos de pé”.  A instrução, por meio de ministrações e aconselhamentos, para ajudar mães jovens a criarem seus filhos com sabedoria é um dos objetivos do ministério. Mães que estão com filhos em situação de risco – dependência química, prisão, entre outras – também recebem apoio espiritual e aconselhamento.

Ligue para o Disk Débora! Com funcionamento 24h, é uma linha direta no (31) 98793-6900, que visa atender pedidos de oração. Para outras informações, entre em contato com a pastora Patrícia Sabino (31) 98793-2906 ou com a coordenadora Simone (31) 988229677.

:: Raquel Carsi