“Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Provérbios 15.3.)

 

Semana passada, você intercedeu pelo Marrocos e o conflito com o povo Saaráui – pela dominação do Saara Ocidental. Nesta semana, ainda no deserto do Saara, cremos que Deus quer agir a favor das nações que lá habitam – uma vez que: “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Provérbios 15.3.) Por isso, você vai interceder pelo Mali, pela tribo de Dogon e pelos nômades do deserto.

O norte do Mali fica no deserto do Saara, mas a maioria da população concentra-se nas terras férteis banhadas pelo rio Níger no centro e no sul do país. Mesmo exportando algodão e ouro, o nível de vida da população é considerado um dos piores do mundo. O Islamismo predomina entre a população, mas a liberdade religiosa é garantida por lei. Uma pequena parcela das mais de 30 tribos tem pessoas convertidas ao evangelho, e cerca de 10 tribos nunca ouviram falar de Jesus.

As tradições da cultura Mali, miscigenadas às tradições de cada tribo, ainda têm muita força no cotidiano do povo. Uma delas é a mutilação genital feminina que em grande parte dos casos termina com a morte da menina. Ano passado, garotas de uma aldeia próxima à capital Bamacal pediram insistentemente às suas mães que não as mutilassem, mas a tradição faz parte da comunidade e para os malineses os filhos não são propriedade deles, mas da comunidade – que decide o comportamento deles.

A agropecuária emprega 40% da mão de obra, mas as terras, e consequentemente os povos, sofrem com os efeitos da desertificação. A expectativa de vida é muito baixa, 52 anos. O povo Dogon é uma das tribos mais numerosas. A água é escassa e ainda é dividida com os crocodilos – animais considerados sagrados pela tribo. Anualmente centenas de pessoas morrem quando vão pegar águas nos rios. Como o Mali tem 65% de área desértica muitos vivem em torno do rio Níger, o mais importante do país e muito habitado pelos crocodilos. Sem saneamento básico e estrutura, ao longo do rio, a vida urbana e residencial são vivas paralelamente ao lado da grande quantidade de lixo e sujeira.

Os nômades do deserto chamam atenção dos turistas e povo malinense por seus rituais que celebram a morte e por suas danças, roupas e adereços que contemplam os animais – tradição que mantém há séculos. As vilas dos nômades são compostas de barracas construídas uma bem distante da outra. Os nômades convivem com a seca, sem nenhum meio de comunicação sendo sustentados pelo mínimo. Enquanto os homens viajam em caravanas pelo deserto, as mulheres cuidam dos filhos. Para eles, a vida na cidade grande é difícil e no deserto eles não enfrentam trânsito, mas têm tempo para pensar em suas vidas. Por viverem nômades pelo deserto, é mais difícil estabelecer uma igreja e até mesmo encontrarmos missionários convivendo com eles. Mas, os nômades são pessoas receptivas e têm o costume, por exemplo, de servirem chá de menta aos turistas que os visitam.

 

Ore pelo Mali

- Profetize a prosperidade do Senhor sobre a economia desse povo;

- Clame para que os costumes tradicionais, como a mutilação genital feminina percam espaço na cultura;

- Declare a salvação dos malineses e clame ao Senhor que levante missionários e líderes que amem esse povo;

 

Ore pela tribo Dogon

- Profetize que a prosperidade alcance a tribo e os costumes dos dogons;

- Clame para que a infraestrutura chegue aos costumes da tribo;

- Ore para que missionários alcance os pouco mais de 200 mil dogons para Jesus;

 

Ore pelos nômades

- Clame para que o Senhor levante pessoas dispostas a viverem nômades junto a esse povo;

- Interceda pela cultura, para que cultura de Cristo transforme os corações e o Espírito Santo os ensine a respeito da morte, da vida eterna, da consciência do pecado, e da adoração a outros deuses;

- Declare a salvação e o surgimento de materiais traduzidos na língua e para o costume dessas pessoas.

 

:: Stephanie Zanandrais

stephanie.zanandrais@lagoinha.com

Fonte: Programa Domingo Espetacular

Foto: UN Photo/Ian Steele