Nenhum Comentário

“O que Deus procura é compromisso e fidelidade”, diz pr. Luciano Subirá durante treinamento da Lagoinha

[Comunicação Lagoinha]

[Comunicação Lagoinha]

 Nesta quarta-feira (1º), pastores e obreiros integrais da Lagoinha se reuniram na Fábrica de Artes, em Belo Horizonte (MG), para uma tarde especial de comunhão e aprendizado com o pastor Luciano Subirá. A reunião foi uma convocação que faz parte da agenda anual da igreja e visa reunir toda a liderança para viver momentos de oração, treinamento e compartilhamento de experiências.

A reunião começou com uma oração feita pelo pastor Márcio Valadão e, em seguida, o louvor foi ministrado. Com o tema “A herança dos santificados”, baseado em Ezequiel 48.11, o pastor Luciano Subirá explanou sobre o sacerdócio fiel e a casa firme levantados por Deus na história da linhagem de Zadoque. “O que leva alguém a ser escolhido e estabelecido é a fidelidade e o compromisso com Deus. O que Deus procura é compromisso e fidelidade com Ele”, afirmou o pastor.

Pastor Márcio Valadão [Comunicação Lagoinha]

Pastor Márcio Valadão [Comunicação Lagoinha]

Conforme Subirá, o fato de um ministro fazer algo que está funcionando não quer dizer que Deus está se agradando dele. “Alguns pecados podem não te remover do ministério, mas podem diminuir o seu ministério”, alertou. O pastor incentivou ainda que os participantes lessem a Bíblia e chamou a atenção da liderança para buscar a santidade com todo esforço e diligência. “Devemos ler a Palavra todos os dias, pois ela é como uma espada que nos instrui sobre a verdade e nos leva à santificação”, complementou.

Pastor Luciano Subirá [Comunicação Lagoinha]

Pastor Luciano Subirá [Comunicação Lagoinha]

Como disse Subirá, Deus quer restaurar uma linhagem sacerdotal na igreja de hoje que tenha um profundo censo de compromisso com Deus e limpa dos pecados. “Deus não te chamou para uma missão suicida, mas o ministério pode se tornar uma missão suicida. Deus envia provisão para que nós possamos nos limpar das sujeiras que carregamos. Morremos porque ignoramos aquilo que Deus nos deu para evitar a nossa morte [ministerial]”, finalizou.

:: Thalita Badke