Isa Coimbra fala da sua vida, da importância do ministério de dança e de como as pessoas podem ingressar no DNA

Nossa igreja não é inspiração para o Brasil apenas pela música. Parte do sucesso das canções, quando gravadas ou apresentadas, está na performance do Ministério de Dança que acrescenta um toque de espiritualidade visual e inegavelmente torna a música mais compreensível e assimilável pela alma. De alguns anos para cá, um nome é sempre associado à dança na IBL: Isa Coimbra, 26 anos, que aceitou Jesus aos 7 anos de idade, está na nossa igreja há 16 anos e, que, atualmente, é a líder do ministério batizado de Dança da Noiva para o Avivamento (DNA). Isa é formada em Direito pela Universidade de Belo Horizonte (UNI-BH) e Dança pela Fundação Clóvis Salgado – Palácio das Artes, e dançou em todos os DVDs do Diante do Trono até o ano de 2011. Participou ainda dos DVDs do “Adoração e Adoradores” e de Nívea Soares.

Lagoinha.com:Como nasceu o Dança da Noiva para o Avivamento (DNA) e qual o significado do nome dele?

Isa Coimbra: O ministério DNA nasceu no coração da minha mãe, Isabel Coimbra, que também foi minha orientadora no ministério de dança. Em agosto de 2011, a nossa líder do Ministério de Louvor, Ana Paula Valadão, me convidou para assumir a liderança do Ministério. Os objetivos seriam o aprimoramento técnico dos ministros de dança, aumento do cuidado espiritual de cada um dos membros e trazer unidade dos grupos que existiam até o momento. Isto, para sermos uma única NOIVA, que é a Igreja, que adora e se alegra esperando e preparando a vinda do NOIVO, que é Jesus.

Lagoinha.com: A seu ver, qual o significado da dança no culto?

Isa Coimbra:  O pastor Márcio tem nos levado a refletir nos últimos meses sobre alguns motivos por que vamos à igreja: “para receber, celebrar e repartir”. Quando dançamos durante o culto, praticamos esses três atos. Recebemos de Deus a cada ministração em que nos colocamos à disposição Dele. Celebramos, pois a dança por si só já representa um ato de alegria. Quando estamos tristes, preferimos ficar mais quietos e parados. Da mesma forma, quando estamos muito felizes por alguma coisa, nos agitamos e vibramos. É algo quase que inconsciente do ser humano. Onde há vida, há movimento. Repartimos a Palavra de Deus, pois quando estamos no púlpito ministramos com gestos o que a letra da música diz. Damos forma e cor a cada palavra cantada, tornando o que é audível em algo visível.

Lagoinha.com: Há embasamento bíblico para o uso da dança no culto?

Isa Coimbra: O texto de 2 Samuel 6 relata o momento em que Davi dançava de alegria no retorno da Arca da Aliança para Jerusalém. O Salmo 150 nos convida a louvar ao Senhor com tamborins e danças e ainda acrescenta diversas outras manifestações e formas de louvor a Deus. Esses textos nos mostram que o culto não está ligado a um lugar e momento específico ou a um tipo exclusivo de arte, mas sim na totalidade de adoração e entrega a Deus. Por que acharíamos que o grande criador do universo esperaria que adorássemos a Ele somente com uma porcentagem dos dons que Ele mesmo nos deu? Deus não espera uma forma especifica de adoração. Ele espera uma forma completa, o tudo, o 100%. E a dança também faz parte desse todo.

Lagoinha.com: Coreografia, dança, qual a diferença entre os dois e qual a aplicação de ambos?

Isa Coimbra: Dança é a arte de mover-se no espaço e no tempo. Ela pode ser coreografada ou espontânea. Usamos o termo coreografia para uma dança ensaiada previamente e espontânea para uma dança criada no momento. Ambas são utilizadas na Igreja.

Lagoinha.com:  O cristão pode utilizar qualquer tipo de dança?

Isa Coimbra:  Essa pergunta fica um pouco mais clara se pensarmos na música. Existe algum tipo de ritmo musical proibido aos cristãos? Claro que não. Essa questão é uma reflexão muito mais cultural e social. O que torna uma música profana ou cristã é a sua letra e intenção. Ritmos e melodias são diferenciados culturalmente. Precisamos ter o entendimento de que existe o momento e local apropriado para todas as coisas. Pode acontecer que a forma como um cristão africano dança para o Senhor venha a escandalizar um brasileiro ou vice-versa, o que não significa que a dança africana seja do Diabo. Cada cultura possui seu estilo artístico e padrões morais que devem ser respeitados. O que não podemos fazer é darmos lugar à carne e deixarmos que a nossa dança fira a santidade do nosso irmão em Cristo. Precisamos do discernimento do Espírito Santo e da reflexão, do porquê e para que estamos dançando determinado tipo de dança.

Lagoinha.com: Quantas pessoas fazem parte do ministério hoje e qual é a rotina dos ensaios?

Isa Coimbra: Acima de 18 anos somos mais de 100 ministros de dança e mais 200 crianças integrantes no DNA Kids. Estimulamos todos a fazerem aula de dança para o aperfeiçoamento técnico. Por isso, nos encontramos uma vez por semana para o estudo da palavra, oração, comunhão e ensaio.

Lagoinha.com: Quem elabora as coreografias?

Isa Coimbra: Em geral, utilizamos a dança espontânea. Usamos uma técnica chamada “Livre Combinado” que permite a criação do movimento no momento em que a música é tocada, garantindo organização e dinamismo que são necessários para que a dança aconteça de forma eficaz e esteticamente bela.

Lagoinha.com: Quem deseja ingressar nesse ministério precisa saber dançar ou existe um curso que ensina leigos a dançarem?

Isa Coimbra: Não nos importamos com o tempo de aula que a pessoa fez, mas procuramos saber se a pessoa tem aptidão e se realmente se sente chamada por Deus. Para isso, temos um curso de três meses para todos os interessados perceberem se é isso mesmo que eles desejam participar e para os conhecermos melhor. Para aqueles que gostariam, mas nunca fizeram nenhum tipo de aula, temos a Fábrica de Artes que oferece aulas de dança em vários horários, níveis e estilos que poderá instrumentalizá-los para exercer o ministério.

 :: Atilano Muradas