Nenhum Comentário

Ordem na Casa – Leia a entrevista com Eliza Fortuna Consulto

Você está em sua mesa. Sobre ela é possível encontrar de tudo: papéis, canetas, revistas, blocos de notas, e mais uma infinidade de coisas. De repente você precisa encontrar, justamente, aquele papelzinho aonde você anotou o número do telefone daquela importante ligação que você precisava fazer, naquele exato momento. Após intensa procura, você desiste. Contrariado, pensa consigo mesmo: “Depois eu acho”. Quando não desiste, berra para a alguém: Ô fulano, você viu onde anotei aquele telefone? Estava aqui na minha mesa agora há pouco.” Para sua infelicidade, a pessoa logo diz: “Não vi não!”

A cena pode parecer exagerada, mas é exatamente assim que acontece na vida de muitas pessoas. Perfeccionismo à parte, nada melhor quando se encontra tudo no seu devido lugar. O nome para isso? Organização. Palavra-chave que define um procedimento essencial na vida de qualquer pessoa. Um ambiente organizado facilita a resolução de vários problemas. Com a agitação do dia-a-dia a organização faz-se necessária a todo o momento. Uma casa organizada, por exemplo, dá conforto e segurança. Uma empresa que possui organização demonstra credibilidade e interesse pelo cliente. Planejar estratégias visando a organização tanto pessoal como profissional é fator determinante na adequação acelerada das mudanças impostas pela realidade social.

Falar de organização em empresas, residências, escolas, faculdades e instituições diversas é normal. Contudo, abranger essa área dentro da Igreja de Cristo parece algo novo. Com o crescimento das igrejas evangélicas em todo o mundo, requereu das mesmas um planejamento visando a organização. Mas como organizar uma igreja? Que áreas (administrativa, diaconal, redes…) precisam ser mais organizadas? Quais os benefícios?

Eliza Fortuna é psicóloga e consultora organizacional, com vasta experiência em diversas organizações, que atuam nas mais diversas áreas. Ela realiza trabalhos nessa área na Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte. Em entrevista ao portal Lagoinha.com, ela fala do assunto e aponta os motivos e a importância de se estabelecer a organização dentro da igreja.

Lagoinha.com: Qual é a importância de se desenvolver um trabalho organizado? Qual é a importância de se desenvolver um trabalho organizado?
 

Eliza: A palavra organizar se refere à disposição ou colocação metódica das coisas em seu devido lugar. Organizar fala de definição de regras, conjunto de normas e regulamentações dentro de uma determinada organização (igreja, escola, iniciativa privada etc.). Um trabalho organizado significa um trabalho definido, com regras, procedimentos, meios, cronograma, tempo, etc.

Lagoinha.com: Qual a vantagem de se trabalhar de maneira organizada? Qual a vantagem de se trabalhar de maneira organizada?
 

Eliza: A principal é a clareza. As pessoas passam a saber das regras, como funciona e qual o caminho a ser percorrido. Cria-se padrão na execução de tarefas, obtêm-se respostas mais efetivas e clareza do que se espera e sabe-se, de antemão, como alcançar objetivos definidos.

Lagoinha.com: Quais são as evidências quando não se trabalha de modo organizado? Quais são as evidências quando não se trabalha de modo organizado?
 

Eliza: Falta de um planejamento, o que acarreta, muita vezes, em confusão. O padrão organizacional acaba sendo o “estilo de cada um” e o modo de se fazer o que deve ser feito baseia-se nas opiniões e parâmetros próprios de quem exerce um cargo ou está no comando, ou mesmo na execução das tarefas próprias da função. Por não haver planejamento, e conseqüentemente, a confusão, acatar propostas e sugestões é algo fora de cogitação, já que cada um quer fazer as coisas a seu modo, achando ser o melhor. Assim, opiniões e sugestões nesse ambiente é algo ameaçador e uma invasão de privacidade. O companheirismo dá lugar à competitividade, onde cada um pensa por si e o outro é um concorrente e um inimigo que precisa ser eliminado.

Lagoinha.com: Como implantar e atuar de modo organizado? Como implantar e atuar de modo organizado?
 

Eliza: Primeiro, é preciso entender que é necessário criar um padrão de procedimento, processos, normas internas da organização como um todo e por área. Esses procedimentos devem ser conhecidos. Assim, você gera padrões e métodos que podem ser compartilhados e entendidos por todos, a fim de que os objetivos propostos sejam alcançados. Pode-se também definir estratégias. Atuar de forma estratégica significa organizar as contribuições que as diversas áreas tem a dar à organização. Atuar de forma a integrar os esforços de vários especialistas, com vista a alcançar os objetivos organizacionais. É fundamental a participação e envolvimento de todos na formulação e implementação das estratégias. A Gestão Estratégica permite que as pessoas saiam da condição de individualismo e da desassociação dos objetivos globais da organização. Um exemplo deste individualismo é a preocupação, por parte de algumas áreas onde o grupo é orientado pelos objetivos individuais, naquilo que lhe diz respeito mais diretamente, “ignorando-se” a necessidade e interesse globais da organização. Tanto os responsáveis do processo quanto sua equipe possuem papéis individuais a desempenhar, que deve ser integrado. Portanto, esta diversidade de vários papéis e o número de indivíduos envolvidos, é um grande desafio para uma Gestão Estratégica.

Lagoinha.com: Como então uma igreja, pode atuar com os princípios citados acima? Como então uma igreja, pode atuar com os princípios citados acima?
 

Eliza: A primeira iniciativa deve ser com o staf (ou a liderança) da igreja. Seu papel na organização e estabelecimento de metas e objetivos deve ser bem claro e definido, para que as estratégias, decisões e projetos sejam bem orientados.

Lagoinha.com: Sobre o pessoal envolvido nos projetos, qual deve ser o perfil e atuação dos mesmos?
 

Eliza: Está cada vez mais claro que o capital humano é o patrimônio mais valioso que uma empresa ou organização pode ter. Portanto, é preciso que as pessoas envolvidas nos projetos da igreja possam ter habilidades e características específicas de acordo com as áreas definidas pela mesma para cumprir sua missão. É importante também, que o capital humano seja preservado, cuidado, estimulado, valorizado e respeitado, mesmo que as pessoas que se dedicam neste tipo de organização sejam voluntários e se sintam vocacionados para o trabalho, a fim de dedicarem seus esforços nesse tipo de serviço. É preciso cuidar da equipe – como parte do processo de formação, valorização e respeito às pessoas – e também definir e inserir um modelo, uma referência para a formação das pessoas nos conceitos e valores da organização. Isto facilita e produz comportamentos para reproduzir o investimento, o ensino, valores recebidos.

Lagoinha.com: Como se organizar por área? Como se organizar por área?
 

Eliza: Deve ser um procedimento comum. O que muda é o propósito e a atuação de cada área. Para que essa organização dê resultados, é importante definir o propósito, os processos e os serviços a serem oferecidos. É importante também identificar os recursos necessários, ter as pessoas com as competências necessárias para a área, uma comunicação intensa e assertiva e ainda uma liderança com colisão para alcançar os objetivos propostos.

Lagoinha.com: Qual é o maior desafio e obstáculo em se estabelecer um modo organizado numa Igreja? Qual é o maior desafio e obstáculo em se estabelecer um modo organizado numa Igreja?
 

Eliza: Deve ser considerado e entendido primeiro a cultura da organização (igreja em questão), que se traduz nos valores, crenças, práticas e costumes. É por esse conjunto que ações são orientadas e praticadas. Numa empresa familiar, por exemplo, os valores e procedimentos geralmente são ditados pela figura do “dono“, já que o mesmo é o dirigente maior da organização. Na Igreja, pode ser os princípios e doutrinas em que se baseia sua fundação. É importante também verificar os hábitos consolidados, os estilos gerenciais de liderança e identificar os possíveis focos de resistências a mudanças, de implantação de qualquer procedimento novo. Existem organizações, que tem o tamanho de um “Titanic”, mas com uma velocidade de um motor 1.0. Outras com o tamanho de um “Titanic”, mas com uma velocidade de o motor de um Fórmula 1. O que isso significa? É que existem diferenças no estilo, na estruturação, nos comportamentos interno da Organização, que influenciam diretamente no seu curso, na sua movimentação, como ocorre com um navio. A questão não é o tamanho, mas em suas próprias características. Isso influencia e determina os rumos das organizações, inclusive os resultados obtidos. Para mim, um dos maiores desafios para quem irá liderar o processo em trabalhar de modo mais organizado é ter uma liderança que busque colisão, mobilização para o alcance dos objetivos propostos. Uma mudança desse porte precisa de envolvimento de todos no processo. E mudar é sair da nossa área de conforto, o que em geral evitamos. Em geral, queremos mudar as pessoas, mas evitamos mudanças pessoais. Geralmente temos justificativas para não mudar.

Lagoinha.com: Que benefícios podem surgir a partir do momento em que uma igreja se organiza? Que benefícios podem surgir a partir do momento em que uma igreja se organiza?

Eliza: Podemos citar algumas: resultados mais efetivos, alcance dos objetivos propostos, melhoria nos processos de comunicação interna, direcionamento dos esforços de maneira mais produtiva, ambiente interno mais saudável, maior respeito e valorização por pessoas e áreas, responsabilidades definidas.

Lagoinha.com: O que é mais difícil na organização: saber sobre ela ou pô-la em prática? O que é mais difícil na organização: saber sobre ela ou pô-la em prática?

Eliza: Saber é o primeiro passo. Este é um momento de se repensar para onde se está indo. A partir daí, descobrir como chegar, o que significa colocar em prática aquilo que se sabe. Isso implica em provocar mudanças. Conceitos como persistência, aprendizagem, envolvimento são fundamentais. É preciso quebrar paradigmas, estabelecer novos padrões, procedimentos, e até valores, e ainda lidar com as insatisfações.

Lagoinha.com: Uma palavra pessoal acerca da organização e o crescimento espiritual da Igreja. Uma palavra pessoal acerca da organização e o crescimento espiritual da Igreja.
 

Eliza: De modo bem simples, gostaria de dizer que é preciso entender qual é papel da Igreja neste contexto em que vivemos nos dias atuais. Nessa época de transformação social sem precedentes no mundo, alguns líderes ousarão ver a vida e a comunidade em sua totalidade. Eles buscarão atender as necessidades do espírito, da mente e do corpo e terão coragem para orientar-se a partir de questões, princípios, visões e missões, o que fará com que Ela se torne um referencial em suas ações, decisões. Elas transformarão cada vez mais vidas, e este é o seu papel, propósito de ser, a missão. Em vez de se queixar e se assustar com os novos desafios, as organizações com visão e nova mentalidade estabelecerão relações, atravessarão os setores privados, públicos e social para construir parcerias e comunidades, aceitarão de bom grado o desafio de assumir responsabilidades e compromissos, definirão e alcançarão resultados significativos e articularão suas realizações de modo que possam cumprir sua missão. Se você quer mudar, avalie sua atuação, condição e situação, bem como seus pontos fortes e fracos, os obstáculos a serem superados, que caminho pretende percorrer, onde está agora e onde pretende chegar. Tenha persistência, e preparação.