Nenhum Comentário

Testemunho de Carlos Antônio

Se eu tivesse que resumir meu testemunho, usaria estes dois versículos:

"Tirou-me de um poço de perdição, dum tremedal de lama; colocou os meus pés sobre uma rocha e me firmou os passos. E me pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus; muitos verão estas coisas, temerão e confiarão no Senhor" (Salmo 40. 2-3)

Tive o meu primeiro contato com o diabo, aos 9 anos, quando ainda morava no Rio Grande do Norte. Caminhando numa estrada com alguns amigos vi surgir um certo homem, com aparência simples, que começou a falar comigo. Falava coisas estranhas, numa língua que jamais havia ouvido. Vendo os meus colegas aquela cena perguntaram-me o que estava acontecendo – naquele momento percebi que eles não estavam vendo o tal homem. Contei a eles o que eu via e eles saíram correndo, deixando-me a sós com o homem que continuou a falar.

A partir do meu encontro com ele, comecei a me envolver com o homossexualismo. Também nasceu em mim um desejo incontrolável pelo oculto. Fui morar com um tio que começou a receber espíritos que também falavam em outras línguas que eu não conhecia. Neste mesmo período começou (ou ressurgiu) uma maldição em minha família: o suicídio. Uma das minhas primas tentou se suicidar. Logo em seguida, foi picada por uma cobra e não ficou muito bem da cabeça. Meus tios, desesperados, levaram-na para um centro espírita e, como se era de esperar, junto a eles estava eu…

Minha ida ao centro com meus tios, foi para mim uma honra. Não pude entrar na sala de reunião, mas participei de tudo por trás da cortina. E aquelas ministrações foram ficando em minha mente e em meu coração. Toda minha vida se voltou para o lado do ocultismo e passei a morar com donos de centros espíritas e ter contato direto com demônios.

Mas eu louvo ao Senhor Jesus porque Ele é Maravilhoso, porque Ele provou o contrário de tudo aquilo que os demônios me falavam e hoje eu posso sentir o amor do Senhor para comigo!

Passado um tempo, fui morar com a filha da dona de um dos centros no qual eu estava trabalhando e, para minha surpresa e desespero dos demônios, ela morava em frente a uma Igreja Assembléia de Deus.

No começo eu ficava indignado por causa do barulho que os crentes faziam, depois piorou ainda mais, pois eles começaram a fechar a rua e fazer cultos ao ar livre. Certo dia estava vendo televisão e ouvi alguém cantar um hino maravilhoso. Desliguei a tv para ficar ouvindo. No dia seguinte pedi para as filhas da dona da casa chamarem aquela menina para cantar o hino pra mim. Neste momento minha cabeça virou uma bagunça, pois os espíritos ficaram loucos e não paravam de falar – e falavam todos ao mesmo tempo!

Passado alguns dias, eu comecei a ir aos cultos na Assembléia de Deus, mas nunca entrava na igreja, ouvia tudo da janela (Is. 55:11). Os demônios ficavam loucos cada vez que eu ia lá, então eles me levaram para o Rio de Janeiro.

As coisas no Rio não deram muito certo e fui morar em Belo Horizonte. Envolvi-me com a prostituição de tal forma como nunca havia feito. Abri casas de prostituição. Desci ao mais profundo abismo e o diabo investiu suas cartas em mim. Estava no fundo do poço. Não tinha paz; se alguém ler minhas agendas que usava como diários irá entender do que falo. Eu só pensava em suicídio, suicídio, suicídio…

Certo dia me apareceu um demônio de nome exu-caveira e falou que tinha algo para eu realizar e que na hora certa ele me falaria qual seria esta minha missão – então concordei. A partir deste dia ele começou a me visitar com muita freqüência. Vinham junto com ele vários espíritos humanos em viagem astral. Fazíamos viagens astrais em hospitais, cadeias, cemitérios, igrejas, candomblés.

Prestem atenção: eles me levavam várias vezes às igrejas evangélicas e, principalmente, à Igreja Batista da Lagoinha.

Quando me levavam à igrejas, eles me mostravam as pessoas que tinham brechas em suas vidas que permitiam que os demônios as usasse ou oprimisse. Eles me mostravam como eu poderia me achegar a cada uma delas, quais eram suas fraquezas, etc.

Uma vez, eu e alguns demônios estávamos na Igreja Batista da Lagoinha e, quando uma certa irmã começou a orar, eles simplesmente ficaram loucos, falando que tínhamos que sair urgentemente e a amaldiçoavam em uma língua completamente estranha para mim. Eles também não suportavam os diáconos e muito menos que os mesmos orassem. Eles os chamavam de "os detentores".

Hoje eu vejo o quanto precisamos buscar a Deus, e entendo porque Deus fala em Sua Palavra (a Bíblia) para sermos santos como Ele é Santo. Vejo o quanto devemos conhecer a palavra de Deus e orar! A oração deixava os demônios desesperados.

Quando os demônios conseguiam entrar numa igreja e viam os irmãos orando, colocavam vários obstáculos, e estes obstáculos eles já tinham prontos em uma espécie de mochila que usavam nas costas. Para cada pessoa, os obstáculos eram diferentes. O que eles lançavam sobre os irmãos era como se fosse uma geléia; algo muito nojento que eu mesmo não tive coragem de pegar. Algumas vezes íamos à Igreja Batista da Lagoinha e entrávamos; em outras, não passávamos do portão. Ficávamos lá fora e eles não paravam: oprimiam aquelas pessoas que ficavam do lado de fora conversando e empreguinavam algumas delas com a tal geléia. Sobre alguns rapazes, eles me diziam: “olhe, este dá para trabalhar na prostituição pra você”.

Eu não entendo por que certas pessoas vão para a igreja e ficam na rua ou na porta da igreja conversando. Certamente elas não vieram buscar ou adorar a Deus. Afinal, você não vai almoçar num restaurante e fica no meio da rua.

Até os pecados das pessoas eram visíveis aos meus olhos. Os demônios lançavam setas em suas mentes e elas rapidamente começavam a se lembrar de seus pecados, e aquilo se tornava como uma tela de televisão em cima de suas cabeças. Quando algumas destas pessoas rejeitavam tais pensamentos, a tela se quebrava como se fosse um pára-brisa de carro e os demônios ficavam indignados.

Eles também colocavam muito medo nas pessoas, porque eles se alimentavam do medo que elas sentiam. O medo imposto era, muitas vezes, para que os irmãos não confessassem os seus pecados.

Desejo que todos estejam me entendendo. E se você tem algum pecado e tem medo de confessá-lo, lembre-se o que a Palavra de Deus fala: “Se confessarmos os nossos pecados Ele (Jesus) é fiel e justo para nos perdoar e purificar de toda injustiça”. Aleluia!

Certas vezes eu ouvia a voz de Deus me chamando e pedia para que Ele me deixasse em paz, pois eu não queria nada com Ele, e falava que Ele estava me atrapalhando. Se alguma coisa dava errado eu O culpava na hora, porque eu sabia que Deus havia levantado pessoas para orar por mim. Eu gritava com Deus no meio da rua, mandando Ele sair de perto de mim, gritava que não O queria, porque com Ele eu não poderia ter casas de prostituição e praticar o homossexualismo que eu gostava. Eu dizia a Ele que preferia os demônios porque com eles eu podia tudo. Eu gritava para Deus: “Me esquece”!

Porém a palavra de Deus fala que: Se por ventura a mãe que amamenta vier a esquecer do filho, mesmo assim o Senhor não se esquecerá de nós. Aleluia!

O Senhor não se esqueceu de mim! Eu sabia que Ele não havia desistido de mim porque a Sua Palavra fala que Ele me separou desde o ventre de minha mãe, e justamente por isto o diabo investiu tanto para me derrubar, mas pra me erguer Deus investiu tudo: Ele deu o seu bem mais precioso, que é o seu próprio Filho Jesus. Sabia que a cada vez que eu O rejeitava, mais Ele me amava.

Bem depois deste dia, o exu-caveira apareceu para me revelar o seu plano. Consistia em tirar uma vida. Ele não me falou de quem, mas começou a me trazer muito à Igreja Batista da Lagoinha. Confesso que não entendia nada. Fiquei surpreso, mas aceitei o desafio e, depois de algum tempo, ele me falou quem seria esta pessoa. Para minha total surpresa e espanto o alvo era pastor principal da Igreja.

Eu ia com mais freqüência à Igreja da Lagoinha. Um domingo antes do carnaval (no ano 2000) fui ao culto das 10 horas e fiquei no terceiro andar, e eles ficaram na porta. Lembro-me claramente de ter visto o pastor pregando lá em baixo no púlpito, quando o Espírito de Deus, (aleluia!) começou a me mostrar qual seria o meu futuro depois do que eu estava prestes a fazer.

Aquela voz tão clara e doce do Espírito Santo falava a mim.

Virei-me para os demônios e falei que não mais iria cometer tal loucura. Eles ficaram completamente perturbados, e quando eu me levantei para ir embora um deles me feriu em baixo das costelas com tamanha violência que rolei escada a baixo (quem estava no culto neste dia, deve se lembrar). Recordo-me de uma médica e de alguns diáconos que me prestaram socorro. Procurei despistá-los com algumas falas e fui embora rápido. Alguns demônios me xingavam e outros tentavam me convencer a voltar atrás, mas fui para casa.

Esta foi uma época em que eu vivia em depressão e por isto cheirava muita cocaína, e chegava a tomar um litro de whisky por dia. Decidi que eu iria tirar minha vida.

No sábado após o carnaval, eu me revoltei com a situação e liguei para vários amigos me despedindo e escrevi várias cartas para outros. Espalhei-as pelo chão do meu quarto e na hora que iria concluir o ato do suicídio, resolvi ligar para alguém para ouvir as minhas últimas palavras. Então liguei para o Telefone da Paz. E justamente lá Deus havia preparado um servo dEle para me ouvir. Glória a Deus!

Este servo do Senhor começou a conversar comigo, ele foi me acalmando e tentado tirar da minha mente a idéia do suicídio. Como eu estava mesmo resolvido, ele me perguntou se eu queria conversar com ele pessoalmente. Marcamos em frente à Casa Administrativa da Igreja. Não sei como cheguei até o local, pois os demônios fizeram de tudo para me impedir, mas como já era de se esperar o nosso Deus me levou até lá e eu acompanhei aquele servo do Senhor à casa onde se localiza a central do Telefone da Paz. Junto a uma outra serva de Jesus Cristo, cheia de autoridade, eles falaram do amor de Deus por mim e saí de lá uma nova pessoa.

Desde este dia, o Senhor Jesus tem sido o meu único Senhor. O irmão que orou por mim me levou até minha casa. No caminho eu comecei a ver os anjos de Deus destruindo os demônios que me atormentavam. Os anjos pegavam os demônios que estavam em nosso caminho e os consumiam!

Chegando em casa foi uma luta tremenda durante a madrugada, mas o Senhor me deu vitória. Os demônios diziam que aquela casa era deles e que lá eles tinham autoridade.

Na manhã seguinte, fui ao culto das 10 horas na Igreja da Lagoinha. O Pastor Márcio pregou sobre as legalidades que temos em nossas casas e aquela mensagem me falou muito.

Deus levantou um irmão que nem me conhecia e mesmo assim me abençoou de uma maneira tremenda, pagando o aluguel de um quarto próximo à Igreja – do jeito que eu pedi a Deus. Deus é tremendo, Ele ouve as nossas orações!!!

Hoje vivo completamente pela fé, não tenho aquele conforto que tinha antes, mas vivo feliz e dependo de Deus para comer, vestir, enfim, dependo dEle para tudo, e o Senhor tem sido fiel! Ganhei o que o homem deseja muito ganhar: a paz em meu coração, pois a verdadeira paz, só em Jesus. Você pode satisfazer o desejo de sua carne, pode alimentar sua alma suprindo suas carências, mas quando você encontra Jesus, todo seu ser é inundado!

Hoje, faço votos que esta paz e que este amor que tenho dentro de mim alcancem a todos e que vocês não tenham medo de se entregar de coração a este Deus que é tremendo e rico em misericórdia, que é a causa de não sermos consumidos.

Se algum dia você já teve algum envolvimento com homossexualismo, prostituição ou com as trevas do ocultismo, quebre estas maldições em nome de Jesus e seja livre para o nosso Deus!

Por morarmos em um país extremamente machista, muitos de nós têm medo de confessar o envolvimento com o homossexualismo. Isto é uma maldição. Levíticos 20:13 fala que se um homem se deitar com outro homem como se fosse mulher, ambos praticam coisa abominável – e isto serve para homens e mulheres.

Procure seu Pastor ou uma pessoa idônea, preparada para ouvir isto, e confesse o seu pecado. Orem juntos para que esta maldição seja quebrada. Talvez seja isto que esteja te prendendo e impedindo de ter uma vida feliz com o Senhor Jesus.

Tenho visto experiências tremendas nesta área, com pessoas que se envolveram com estas práticas, e que se sentiam completamente presos em suas mentes por nunca terem tido coragem de tocar no assunto. Alguns me falaram que quando ouviam comentários sobre o assunto, eles sentiam uma condenação tremenda e medo de que alguém descobrisse que eles tinham tido envolvimentos homossexuais. Tinham medo de contar para alguém e que aquele assunto chegasse aos ouvidos de sua namorada, mãe, pai, amigos, etc. Por isto eu falo, procurem alguém que esteja preparado para ouvir e principalmente maduro o suficiente para guardar o que lhe foi confiado. Irmãos, nós temos que ser pessoas leais!

SE O FILHO (JESUS) VOS LIBERTAR, VERDADEIRAMENTE SEREIS LIVRES!

Hoje eu sei que estou livre, apesar de alguns ataques. Os espíritos malignos tentam de toda maneira me levar de volta, mas Deus é Todo-Poderoso e tem me livrado das mãos deles. O propósito deles é me fazer calar, mas em Nome de Jesus irei continuar falando sobre minha experiência para que outros também possam ver e ter a certeza de que Jesus Cristo liberta e dá nova vida, de paz, amor, à sombra de Suas asas. Digo isto para honra e glória de Jesus!

Jamais pense que Deus não pode te perdoar, ou que seu pecado é grande demais. Para Deus tanto faz você matar ou falar uma simples mentira. Para Ele pecado não tem tamanho, mas para nós tem consequências diferentes. Tenha sua vida sempre na luz, diante do Trono do Senhor.

O amor de Deus é tão tremendo que mesmo eu O tendo rejeitado, Ele não parou de me amar. Jamais se esqueçam disso: Deus é amor em todo o tempo e este amor é imutável. Ele ama você também, profundamente!

Neste tempo que tenho caminhado com Deus, Ele tem me surpreendido de maneiras tremendas, e quer que nós o surpreendamos também, não pecando. Esta é uma das formas que encontrei para surpreender a Deus.

Sou grato por tudo que Ele tem feito em minha vida e através de minha vida. Agradeço por cada um dos irmãos, que de uma maneira ou de outra, têm me ajudado. Agradeço ainda a todos os que têm orado por mim e aos que têm me incentivado a continuar, às vezes, não com palavras, mas com testemunho de vida.

MEDITEM NO SALMO 40

QUE DEUS ABENÇOE VOCÊS, RICAMENTE.

redacao@lagoinha.com

CARLOS ANTÔNIO