“Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” 

(Provérbios 17.17)

Existe algo melhor do que ter alguém para compartilhar nossas dores, alegrias, decisões ou questionamentos? Alguém em quem podemos confiar e que seja um ombro amigo “em todo o tempo”? Se você o tem, encontrou o verdadeiro bálsamo para o seu coração: a amizade!

Quando o Senhor criou o homem e este passou a habitar no Jardim do Éden, mesmo convivendo em perfeita harmonia com todos os animais ali existentes viu o Senhor que não era bom que o homem estivesse só (Gn 2.18) e assim foi criada a auxiliadora, aquela companhia idônea para a coroa da criação de Deus: o ser humano! Percebemos com isso que nunca foi plano do Senhor que nós, criados com tanto amor e alegria por parte da Trindade Santa (Gn 1.26), estivéssemos solitários em meio a toda a boa obra que havia feito (Gn 1.31). Ele planejou que fôssemos fecundos, multiplicássemos e enchêssemos a Terra (Gn 1.28). Deus abençoou a união! Mas e a palavra amizade, o que tem a ver com tudo isso, com esse momento da criação? Tem a ver com o amor e a preocupação divina para conosco, homens e mulheres criados à Sua imagem e Semelhança (Gn 1.27), seres especiais para o Senhor! Será que nossa saúde, provisões alimentares, sustento financeiro, família não nos fazem pensar em quão grande é a Sua preocupação para com nossas vidas? Não seriam essas coisas provas de Sua “amizade”?

Pensemos no que foi que Jesus fez por nós: Se fez nosso “irmão”! Aleluia! Se fez nosso Amigo! Aquele que na angústia está conosco e nunca nos deixa só! Teria você algum amigo que se possa comparar ao Senhor? Este nunca o decepcionou? Sempre lhe foi fiel? Foi companheiro, ajudador, conselheiro, lhe transmitiu paz ao coração? Muitos podem estar respondendo que sim a alguma dessas indagações, porém será que sendo homens, seres humanos, eles nunca falharam conosco? Só o nosso coração pode responder…

E quanto a Jesus, será que sempre esteve por perto? Sim, enviou até o Seu Espírito para que estivesse para sempre conosco (Jo 14.16). Disse que não nos deixaria órfãos, mas que voltaria para nós (Jo 14.19). Prometeu ainda que porque Ele vive, nós também viveremos (Jo 14.19). Além é claro das outras promessas que nos fez: Dar-nos de beber da água da vida, preparar para nós moradas no céu, fazer morada em nós, prover alívio para os cansados, tristes e abatidos, levar sobre Si as nossas dores, os nossos pecados e por fim, morrer a nossa morte! Algum amigo, mesmo aqueles mais chegados, faria tudo isso por você ou por mim? Acredito que não… Como disse Pedro ao Senhor, “Para quem iremos? Só Tu tens as palavras de vida!” (Jo 6.68) As palavras que mudam o nosso caráter, a nossa história, a nossa dor! Palavras que tornam a nossa solidão em comunhão!

Por que então nos lamentamos, choramos se temos o melhor dos amigos a nos contemplar? Por que não valorizamos a “amizade divina” como algo mais que precioso, que é em todo tempo sincera, presente e imutável? Deus anseia de nós se aproximar. Porém, o primeiro passo em sua direção Ele já o deu, ao enviar Seu Filho. Precisamos agora dar ao Senhor a oportunidade de em nós habitar, pois Ele é educado e bate à porta. De nós nada exige, somente espera!

Se com sinceridade o buscarmos, nossa voz será sempre ouvida no céu e o Senhor com toda a Sua glória e poder agirá por nós, operará em nós e nos fará mais que vencedores em Seu Filho Cristo Jesus! Que possamos, portanto, fazer como nos diz o versículo acima, “em todo o tempo ama o amigo”, e amar a Deus, deixando-o se fazer nosso amigo, para que na hora da dor, da angústia possamos senti-lo como o nosso verdadeiro Irmão!

Nada neste mundo se compara a amizade verdadeira que o Senhor deseja a todos nós ofertar. Cabe a mim e a você aceitá-la, vivenciá-la ou não. Por isso, não demore a abrir seu coração e dessa maravilhosa amizade desfrutar! Deus o abençoe e o faça nele regozijar!

::Ana Lúcia Lemos

 analucia_fk@yahoo.com.br

 Igreja Presbiteriana do Recanto das Emas – DF

Colaboradora do portal Lagoinha.com