Nenhum Comentário

Deus chamou os “fracos” e “loucos”

[Foto: Unsplash.com]

[Foto: Unsplash.com]

Se lermos a Bíblia cuidadosamente, veremos que Deus chamou muitas pessoas improváveis para cumprir coisas extraordinárias. De Moisés, que era “pesado de língua”, o Senhor fez o “libertador” dos israelitas no Egito. A Gideão, o menor de sua família e cuja tribo era Manassés, a menos importante, o Senhor chamou de “poderoso guerreiro” e disse que ele derrotaria todos os midianitas. Raabe, a prostituta, entrou para a genealogia de Cristo. Já Davi, de um simples pastor de ovelhas, passou a ser chamado de rei. Vários outros poderiam entrar para essa lista, a exemplo dos doze discípulos, cujo histórico não era dos melhores. Porém, ainda hoje, podemos ver os frutos do trabalho feito por eles, já que aceitaram sair pelo mundo para proclamar o Evangelho de Cristo, com a exceção de Judas Iscariotes.

E por que Deus chamou tanta gente “incapacitada”? “Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes. Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante Dele” (1 Coríntios 1.27,28). O Senhor escolheu os “fracos” antevendo o grande prejuízo que seria se chamasse os “fortes”, pois sabe da capacidade do homem em se tornar soberbo pensando ser “importante”. Além disso, o Senhor conhece a tendência humana de se corromper a tal ponto de ousar tentar roubar a glória que é somente Dele.

Não é à toa que Jesus disse que os “pobres em espírito” e os “humildes” são “bem-aventurados” (Mateus 5.3 e 5). Portanto, quando pensar coisas como “não sou capaz”, e o mundo lhe disser que não é suficientemente bom, lembre-se de quem te chamou. “É, porém, por iniciativa Dele que vocês estão em Cristo Jesus” (1 Coríntios 1.30a). E é justamente por ser de Cristo que o mundo rejeita os cristãos. “Se vocês pertencessem ao mundo, ele os amaria como se fossem dele. Todavia, vocês não são do mundo, mas Eu os escolhi, tirando-os do mundo; por isso o mundo os odeia” (João 15.19).

E, vale ressaltar, Cristo é Aquele que “Se tornou sabedoria de Deus para nós, isto é, justiça, santidade e redenção, para que, como está escrito: ‘quem se gloriar, glorie-se no Senhor’” (1 Coríntios 30b, 31). Sendo assim, que ninguém pense ser, agora, melhor do que os outros ou bom em si mesmo, ainda que tenha passado pelo aperfeiçoamento do Senhor. Afinal, “irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento” (1 Coríntios 1.26).

E, mesmo se vocês estiverem entre esses “poucos”, “não se enganem. Se algum de vocês pensa que é sábio segundo os padrões desta era, deve tornar-se ‘louco’ para que se torne sábio. Porque a sabedoria deste mundo é loucura aos olhos de Deus. Pois está escrito: ‘Ele apanha os sábios na astúcia deles’” (1 Coríntios 3.18,19). Portanto, não se aflija se não enxergar em você qualidades para cumprir o chamado de Deus. Ele busca por corações e não por qualificações. “O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração” (1 Samuel 16.7b).

:: THAIS OLIVEIRA