Enquanto mostrava a um irmão certa música que compus a respeito da vida de Noé, fui surpreendido com uma pergunta inusitada ao citar os nomes dos filhos do patriarca – Sem, Cão e Jafé. Aquele irmão, quatro anos de evangélico, utilizando poucos neurônios, esbugalhou os olhos e disparou: “O ‘Cão’ era filho do Noé?” Eu não sabia se ria, chorava, gargalhava ou, na mais fina educação e misericórdia, respondia. Respondi.

Ouvi um pregador citar o versículo “esforça-te que te ajudarei” que, apesar de encerrar uma verdade que daria uma boa mãozinha aos anjos, não existe na Bíblia. Outro pregador, após assistir ao filme Carruagem de Fogo, que mostra um homem barbudo subindo ao céu numa belíssima carruagem, afirmou no culto que o profeta Elias foi elevado ao céu num carro de fogo. Ledo engano. Foi num redemoinho. Esse equívoco tem sido reproduzido em mensagens, músicas, conversas e até em livros teológicos célebres. Do mesmo texto ainda é possível se ouvir outra heresia. Elias não deixou para Eliseu porção dobrada do Espírito Santo, mas do seu espírito. O Espírito Santo não existe na versão dobrada ou pela metade. Ele é integral.

Outro dia ouvi um amigo cantando uma letra cujo refrão sugeria oração de madrugada por que de noite a fila é menor. Expliquei-lhe que do outro lado do mundo estão dois terços da população mundial acordada enquanto é noite aqui no Brasil. Essa letra é incoerente tanto teológica quanto geograficamente.

Quando participei no coro da igreja, antes de mudar a voz, cantei no soprano. Na adolescência enganei no contralto até que a voz mudasse definitivamente e pudesse passar a atrapalhar os tenores. Havia uma música que cantávamos no natal que continha a palavra “genuflexo”. Ninguém tinha o costume de explicar o significado das letras, por isso perguntei a alguns colegas. Ninguém sabia e o regente prometeu pesquisar. O parnasianismo semântico e teológico de algumas dessas letras é tão latente que, às vezes, beira a ostentação: sacrifício vicário, graça, grilhões, encapelado mar. Com a ascensão dos neolevitas, as frases enigmáticas nas letras se multiplicaram. Expressões bíblicas destacadas de textos desconhecidos se viram coladas a melodias e difundidas a granel: Leão da Tribo de Judá, Jeová-jirê, rompendo em fé, jardim fechado, bálsamo de Gileade, e outras pepitas. Incrível! Muita gente canta estas e outras sem saber o significado.

Faze a tua parte que te ajudarei nos serve bem agora. Cada um que leia a Bíblia com mais atenção, tenha um bom dicionário do lado, uma concordância, um livro de teologia sistemática, para não dar brecha ao deus baixíssimo e, no mínimo, entenda o que está cantando. O Diabo anda escrevendo o que quer nas páginas em branco da multiforme ignorância humana e ninguém faz nada. Ouvi dizer, inclusive, que a bíblia na linguagem de amanhã e o livro de heresias estão no prelo. Pior que isso só a Igreja Maradoniana.

:: Atilano Muradas – jornalista