Nenhum Comentário

Foco na eternidade

Foto: Facebook/Lagoinha Centro

Foto: Facebook/Lagoinha Centro

O dinheiro foi criado para nos manter enquanto estivermos aqui, neste mundo. Quando não temos uma compreensão correta de valores e princípios bíblicos sobre o dinheiro, toda a nossa perspectiva e forma como lidamos com a vida passam a ser terrenas. Você já viu um defunto no caixão com a carteira de dinheiro no bolso? Creio que não, pois ninguém leva nada quando morre.

Na Palavra, temos o exemplo de Ananias e Safira, que agiram em malícia, engano, mentira e trapaça sobre a venda de uma propriedade para benefício e lucro próprios. Pagaram com a vida pelo ato. O fato está registrado em Atos 5.1-11. Mentiram, enganaram e, por isso, tiveram um fim triste.

O apóstolo Paulo, em sua segunda carta aos Coríntios, diz: “Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem, porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas” (2 Co 4.18).

Tão interessante essa questão de valores. Mesmo sabendo Salomão que poderia pedir a Deus o que quisesse, tendo diante de si a oportunidade para tal, ele agiu em graça e sob uma perspectiva correta, tendo os olhos voltados para o Reino e não para as coisas terrenas, ao pedir a Ele apenas a sabedoria para governar o povo. E, porque pedira sabedoria e não riquezas, Deus o honrará concedendo justamente riquezas e prosperidade. O relato já conhecido de muitos está em 1 Reis 3, dos versos 3 a 15. Salomão pediu a Deus o quê? Sabedoria. Sabedoria para quê? Para cuidar do povo, para ser um bom rei, para abençoar a Israel. Salomão não pediu coisas para ele. Não pediu nada material. E, em resposta ao pedido dele, Deus dissera: “Já que pediste esta coisa e não pediste longevidade, nem riquezas, nem a morte de teus inimigos, mas pediste entendimento, para discernires o que é justo, eis que faço segundo as tuas palavras: dou-te coração sábio e inteligente, de maneira que antes de ti não houve teu igual, nem depois de ti o haverá. Também até o que me não pediste eu te dou, tanto riquezas como glória; que não haja teu igual entre os reis, por todos os teus dias” (1 Reis 3.11-14).

Sabemos que Salomão cometera muitos erros. Porém ele acertou em cheio quando buscou a vontade de Deus. Muitas vezes as pessoas estão buscando as coisas, e, quando você busca o Senhor, tudo mais vem como acréscimo. Assim afirmara Jesus em Mateus 6.33: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu Reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Salomão buscou! A primeira compreensão que precisamos ter é esta: quem é o dono de tudo? Quem é o dono da casa onde você mora, do carro que você dirige, das roupas que você veste, do salário que você tem? Talvez você até responda corretamente, dizendo que é o Senhor. Mas será mesmo Deus o Senhor de tudo o que você possui? Se você retem seus dízimos e ofertas, será mesmo que possui o entendimento de que tudo é de Deus? Será que seu foco está nas coisas terrenas ou na eternidade?

:: Pr. Márcio Valadão

Converse sobre esse tema com o pastor Eduardo Queiroz: (31) 99612-9099.