Nenhum Comentário

O amor é paciente, o amor é bondoso…

“O amor é paciente, o amor é bondoso… “ (1 Co 13.4a).

Foto: unsplash.com

Foto: unsplash.com

Inveja, contendas e divisões eram marcas dos discípulos da igreja de Corinto, descritas na 1ª Carta aos Conríntios, do Novo Testamento. Essa igreja fluía nos dons, mas não praticava o amor. O Espírito Santo havia sido derramado sobre os seus corações, mas esses irmãos decidiram não imitar o caráter de Cristo.

Sem esse amor, tudo que fazemos de nada vale. O apóstolo usa o termo “Ainda que…” em 1 Coríntios 13.1-4. Ele descreve “Ainda que eu fale a língua dos anjos e dos homens…”, “Ainda que eu tenha o dom de profecia… ”, “Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo… ”, ou seja, mesmo que eu realize todas essas “manifestações” ou possua tantos “aparatos”, sem amor, isso não terá valor. É como ter uma vida no púlpito que diverge do comportamento dentro do lar. Um homem que prega extraordinariamente bem, mas xinga a esposa no lar, não vive esse amor e, logo, fracassou.

Mas como é esse amor? Que características ele tem? Aqui vamos nos aprofundar apenas em duas virtudes (características, qualidades) desse amor que impactam os nosso relacionamentos: a paciência e a bondade.

Paciente é aquele que sabe esperar, que sabe perseverar, que é tardio em vingar-se e que não perde o ânimo. É aquele que suporta tribulações sem queixas. Jesus foi paciente com os discípulos, sempre ensinando-os sobre o Reino e aguardando a transformação deles. A paciência de Jesus também foi demonstrada quando Ele suportou os sofrimentos e não buscou vingança. Abraão foi paciente ao aguardar o cumprimento de uma promessa. Moisés foi paciente com um povo tão desobediente, quando tolerou os pecados dos israelitas e ainda clamava por eles.

Os cristãos precisam conhecer e desenvolver essa característica do fruto do Espírito. Nesse contexto da atual geração, queremos que tudo aconteça rapidamente e não queremos esperar pelos direcionamentos de Deus, mas, sim, seguir para o próximo passo e depois para o outro, e assim sucessivamente. Em um tempo em que tudo muda muito rapidamente, precisamos ter paciência e perseverar no trabalho, na faculdade e nos relacionamentos e esperar pelos frutos. `

Outra virtude é a bondade. Bondoso é aquele de bom caráter, generoso, prestativo e gentil. Ele é amável e honesto com todos. O poder do Espírito Santo faz o cristão ser bondoso com o próximo, ainda que seja maltratado. Ele já possui a ação do Espírito Santo, mas precisa decidir agir diferentemente da igreja de Corinto.

A bondade do discípulo deve ser praticada com os familiares, amigos, companheiros de ministério e não convertidos. Não é um sentimento, mas uma atitude. Ele deve escolher acolher os necessitados e não esperar uma chama acender no coração.

Jesus disse: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me” (Lucas 9.23). O cristão deve remar contra a maré do mundo. Morrer diariamente para si mesmo e seguir o exemplo de Jesus.

:: Raquel Carsi