Nenhum Comentário

O homem e a vida conjugal: amar a esposa como Cristo amou a Igreja

Depois de criar tantas coisas e ver que era bom, Deus viu algo ruim: a solidão. Então, Ele disse: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2.18). Imediatamente, Deus criou a mulher, o casamento e a família.

Pastores Anísio e Joyce Andrade

Pastores Anísio e Joyce Andrade

Quase todos os mandamentos são individuais, mas existe um que só pode ser obedecido pelo casal: “Crescei e multiplicai-vos” (Gn 1.28). A reprodução é a continuidade da criação.

Não podemos dizer, contudo, que o matrimônio é um mar de rosas. Na verdade, a vida conjugal é semelhante ao processo de juntar as peças de um quebra-cabeça. Imagine a alegria de uma criança ao ganhar esse jogo. Só que ela não pensa, de imediato, que o brinquedo, além de ser um presente, representa, também, um desafio. Assim é o casamento. Todo casal encontra dificuldades que fazem parte da vida a dois, mas devemos continuar firmes na certeza de que nenhuma peça nos faltará. Certamente, precisamos da ajuda do Fabricante, pois Ele sabe onde cada parte se encaixa. E, aos poucos, uma imagem maravilhosa vai se formando, e tudo passa a fazer sentido.

O casamento não é entre iguais, mas entre diferentes, para que ambos se completem (guardadas as restrições do jugo desigual). As diferenças entre o marido e a esposa são muitas, mas é bom que seja assim. Devemos ver nelas oportunidades e não motivos de conflito. Os papéis também são diferentes, embora possamos compartilhar muitas funções. Nunca haverá igualdade entre homens e mulheres, pois isso seria contrário à natureza, mas todos podem ter os mesmos direitos, exercidos com amor e sabedoria.

A época de solteiro já passou

O homem casado deve estar consciente de que não pode mais viver como solteiro, pois tudo tem a época certa. O esposo pode fazer tantas coisas, mas sua prioridade, abaixo de Deus, é a esposa e o lar. Nem o ministério ou a profissão podem ocupar tal nível de importância. A lei para o homem casado é assim: “Amar a Deus sobre todas as coisas e à sua esposa como a si mesmo”. Eu sei que Jesus disse “amar o próximo”, mas nenhum ser humano pode ser mais próximo do homem casado do que a sua mulher e vice-versa. Depois, vêm os filhos e as outras pessoas.

Pastores Anísio e Joyce Andrade e o filho

Pastores Anísio e Joyce Andrade e o filho

Autoridade no lar

De acordo com a Bíblia, o marido tem autoridade sobre a esposa, e ambos, sobre os filhos. A autoridade está diretamente ligada ao nível de responsabilidade. Quando aconteceu o pecado no jardim do Éden, Adão foi o primeiro a ser chamado para a prestação de contas.

Responsabilidades do homem casado

O homem casado tem a responsabilidade de sustentar a sua família, cuidando da mulher e dos filhos. Não significa que não possa haver ajuda mútua, mesmo porque algumas situações são especiais, mas a Palavra nos mostra padrões desejáveis para o bom funcionamento do lar, sabendo que a mulher também tem suas atribuições, conforme os dons intransferíveis que Deus lhe confiou. O desejo pela igualdade absoluta, jamais alcançada, é um dos motivos para a destruição de famílias e desajustes sociais diversos. Outro inimigo do lar é o egoísmo manifesto no excessivo investimento pessoal ou no gasto com vícios e diversões em detrimento das necessidades familiares.

O homem deve amar a esposa como Cristo amou a Igreja

Pastores Anísio e Joyce Andrade

Pastores Anísio e Joyce Andrade

Entre tantas coisas que a bíblia nos ensina sobre o papel do marido, a mais surpreendente e que maior responsabilidade nos traz está nas palavras do apóstolo Paulo, quando nos compara a Jesus, no que diz respeito ao amor: “Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a Igreja, e a Si mesmo Se entregou por ela” (Ef 5.25). Que honra, que privilégio e que responsabilidade! O homem casado deve estar disposto a se entregar por sua esposa. Isso pode significar morrer, se preciso for, mas é também viver por ela. O marido não deve ver o casamento apenas como uma forma de realizar seus sonhos e desejos, mas, antes disso, um compromisso de entrega para o bem da sua esposa.

Sobretudo, é preciso lembrar que o amor envolve fidelidade. Está escrito: “O homem fiel, quem o achará”? (Pv 20.6). O matrimônio não é apenas um contrato social, mas um pacto espiritual, realizado perante Deus. Por isso deve ser cultivado com o amor e protegido pela fidelidade.

Examinando os conceitos bíblicos, podemos perceber pontos de contraste com a realidade de muitos lares, mas estamos certos de que o Senhor, que criou o casamento e a família, é o mesmo que pode perdoar e restaurar os casais que O buscam de todo o coração.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade [Vigília Juventude Lagoinha]