Nenhum Comentário

Um homem segundo o coração de Deus

Foto: unsplash.com

Foto: unsplash.com

Você é um homem. A cada manhã, você se olha no espelho ao se arrumar para o dia de trabalho e pensa sobre o tipo de homem que deseja ser para sua esposa, seus filhos, seus colegas de trabalho, para você mesmo e – o mais importante – para Deus. É possível que essa responsabilidade pese tanto, que você até deseje voltar para a cama e dormir. Nos dias maus, será impossível silenciar os pensamentos que lhe vierem à cabeça, do tipo:

“Já errei demais; será impossível uma mudança… Fui longe demais. Nunca conseguirei agradar minha esposa ou meus filhos. Nem mesmo sei por onde começar. Nunca estou à altura. Simplesmente, não consigo!”

NADA ESTÁ PERDIDO! AINDA NÃO É O FIM!

Não caia nessas mentiras. Você foi criado para ser completo, pleno. Você pode ser um homem completo.

O homem completo, em termos bíblicos, é o homem “teleios”, palavra grega que significa “pleno, finalizado, perfeito – nada mais é necessário”.

A palavra “perfeito” é uma tradução do original grego “teleios”, que significa literalmente “plenamente desenvolvido, amadurecido, completo, maduro, adulto, levado ao seu estado final, acabado, não faltando nada necessário, integralidade em bom estado de funcionamento. Teleios significa solidez consumada, inclui a ideia de ser inteiro.

A palavra grega “teleios” é mencionada, conforme pesquisa realizada, 17 vezes no Novo Testamento Grego: Mateus 5.48; 19.21; Romanos 12.2; 1 Coríntios 2.6; 13.10; 14.20; Efésios 4.13; Filipenses 3.15; Colossenses 1.28; 4.12; Hebreus 5.14; 9.11; Tiago 1.4,17,25; 3.2; 1 João 4.18.

“… Cristo em vós, a esperança da glória, o qual nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo…” (Colossenses 1.27,28).

O significado básico da palavra teleios no Novo Testamento é sempre que a coisa ou pessoa assim descrita desempenha plenamente o propósito para o qual foi projetada. E, assim, quando os gregos falam de “perfeito” (teleios), é de fato como se realiza perfeitamente o propósito para o qual foi concebido.

Teleios não implica o conhecimento completo, mas uma certa maturidade espiritual na fé. Esse era o desejo de Epafras quando orou para os santos de Colossos. Richards explica que em teleios (e palavras relacionadas a este grupo, como teleioo, teleiotes) a ênfase está na:

“Inteireza e completude no sentido biológico que eles significam. Maduro, ou “plenamente crescido”: a pessoa, animal, vegetal alcançando o potencial inerente em sua natureza; o perfeito é a coisa ou pessoa que estiver concluída, em que nada que pertence à sua essência tem sido deixado de fora. Ele é perfeito porque todo o potencial que possui tem sido realizado”.

Vine comenta sobre o uso de teleios:

“Tendo alcançado sua finalidade” (telos), “terminado, completo, perfeito.” É usado de (I) pessoas, (a) primariamente de desenvolvimento físico, então, com conotação ética, “plenamente crescido, maduro”, 1 Co 2.6; 14.20 (“homens”, marg., “de plena idade”); Ef 4.13; Fl 3.15; Cl 1.28; 4.12; em Hb 5.14, RV, “plenamente crescido” (marg., “perfeito”), AV, “de plena idade” (marg., “perfeito”); (b) “completo”, transmitindo a ideia de bondade sem necessidade de maturidade ou que é expresso sob (a), Mt 5.48; 19.21; Tg 1.4 (segunda part.); 3.2. É usado assim de Deus em Mt 5.48; (II) de “coisas, completas, perfeitas”, Rm 12.2; 1 Co 13.10 (se referindo à completa revelação da vontade e caminhos de Deus, tanto nas Escrituras completas ou no além); Tg 1.4 (da obra da paciência); Tg 1.25; 1 João 4.18. [VINE, Expository Dictionary of the New Testament]

Por que a maturidade, principalmente para o homem no ministério, é importante? Porque aqueles que são cristãos maduros são capazes de captar e aplicar verdades espirituais (“Mas nós falamos sabedoria entre os perfeitos [teleios], uma sabedoria, porém, não deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que estão perecendo” 1 Co 2.6), estabelecer prioridades certas na vida (“Vamos, portanto, tantos quanto são perfeitos [teleios], ter esta atitude, e se em alguma coisa vós tiverdes uma atitude diferente, Deus irá revelar também a vós.” Ver a nota Filipenses 3.15), e estão confiantes e firmes na vontade de Deus (Cl 4.12).

Em resumo, teleios, quando usado com relação aos crentes, e que também se aplica a nós homens em nossos ministérios, como no contexto das epístolas neotestamentárias, descreve uma pessoa que tenha atingido a maturidade moral, carecendo em nada, tendo chegado ao objetivo, propósito ou finalidade para o qual ela foi criada. Maturidade esta que nós, como um todo, tínhamos antes da Queda. Epafras desejava ansiosamente que os crentes de Colossos pudessem alcançar o objetivo experimentalmente, que eles fossem, de fato, “perfeitos em Cristo”!

Nosso caminhar cotidiano chega a ser, por vezes, contraditório. A busca pelo que é bom, pelo que é correto e pelo que deve ser feito se contrapõe muitas vezes à forma como efetivamente agimos.

Se olharmos o caminho que o rei Davi percorreu, encontraremos não apenas contradições, mas faltas por vezes muito graves; no entanto, Deus disse que encontrou nele um homem segundo Seu coração.

Como é um homem segundo o coração de Deus? É aquele que deposita no Senhor sua confiança. Abraão foi digno de Deus, pois confiou nEle. Quando ninguém mais acreditava, Abraão acreditou nas promessas do Pai. Mesmo errante e pecador, sua fé e confiança foram maiores que suas limitações.

Os grandes homens da Bíblia depositaram sua confiança no Senhor. O mesmo que Ele fez no coração desses homens Ele quer fazer em nosso coração. Uma intervenção humana nos ajuda, porém somente a intervenção divina pode nos salvar. Confiemos em Deus.

Feliz aquele que recebe o socorro do Senhor. Contar com o apoio dos irmãos é bom, porém nossa esperança está em Deus. A nossa felicidade depende muito mais daquilo que Ele faz por nós do que aquilo que realizamos por nossas forças. A felicidade é um dom divino.

Feliz aquele que recebe e espera no Senhor. Confiando em Deus, no momento oportuno, Ele Se revelará a nós. O Senhor nunca nos deixa perdidos ou sem referência, por isso confiemos nEle.

A confiança é fruto de relacionamento, pois confiamos em quem acreditamos e amamos. Quanto mais amamos, mais confiamos. Sejamos íntimos de Deus para que confiemos, cada dia mais, em Suas mãos. Quando Lhe somos gratos, inclinamo-nos à Sua vontade.

O primeiro passo para crescermos em nosso relacionamento com o Senhor é conhecer Seus pensamentos. E para sermos conhecedores dos pensamentos de Deus é preciso ter intimidade com a Sua Palavra.

Procuremos Deus com integridade de coração. Olhemos a figura de José, pois foi um homem íntegro. Maria concebeu por obra do Espírito Santo, e, para que ela não fosse apedrejada – pois, não sabendo que era intervenção de Deus, José acreditava que seria filho de outro homem –, preferiu sair da sua cidade e assim proteger Maria. Mas o anjo do Senhor falou com José em sonho e lhe explicou que o Menino era o Filho de Deus, e ele repensou sua decisão e acolheu Jesus e Maria.

Peçamos um coração íntegro. Um homem segundo coração de Deus é conhecedor de Seus pensamentos e tem um coração íntegro. Que sejamos conhecedores do Senhor e, de coração, nos entreguemos a Ele.

Seja um homem “teleios” e segundo o coração de Deus. A expectativa de Deus para nós é o de sermos completamente inocentes e perfeitos à Sua vista!

Deus te abençoe!

:: Pr. Ricardo Badke