Nenhum Comentário

Jovens testemunham sobre o poder do amor de Cristo manifestado durante culto ao ar livre na Savassi

Foto: Chrystiane Arruda

Foto: Chrystiane Arruda

Na última sexta-feira (29), o Culto Manifeste-se ao Ar Livre foi realizado na praça da Savassi, em Belo Horizonte (MG), onde mais de 60 pessoas entronizaram o poder de Deus e demonstraram o amor de Cristo às pessoas por meio do “Abraço Grátis”. Muitos jovens foram receptivos e aceitaram um abraço da equipe Manifeste-se. Vários confessaram Jesus como seu único e suficiente salvador, para a glória de Deus. Confira o testemunho de duas participantes:

• Joyce: “Eu parei uma jovem e mostrei a plaquinha, então, ela questionou o porquê do abraço, e eu expliquei. Ela me disse: “Você está no lugar errado, pois aqui só tem drogados, viciados e gente bêbada”. Então, naquele momento, Deus me deu a oportunidade de testemunhar para ela que, 13 anos atrás, eu estava exatamente ali, nas boates mais bem frequentadas da Savassi; que, muito próximo dali, eu estava bêbada e pensando em suicídio, quando apareceu uma jovem e levou o amor de Deus até a mim; e que hoje para mim era um privilégio estar ali fazendo o mesmo, levando esse amor. Aquela moça olhou para mim, e, mesmo assim, senti que ela estava resistente. Então, eu disse: “Já que você está em dúvida se quer receber o meu abraço ou não, posso te pedir algo?”. Ela franziu a sobrancelha e disse: “Pode, sim. O quê?”. Eu disse: “Me dê um abraço você, quero um abraço seu”. Ela olhou para mim, deu um sorriso meio tímido e me abraçou, e eu entendi que o amor de Deus tem o poder de destruir o mecanismo de defesa que existe dentro do ser humano. Ela me perguntou de qual igreja eu era, e eu disse sobre o Culto Manifeste-se, em Lagoinha. Foi lindo! Louvado seja Deus!

• Priscila: Vou contar sobre o abraço na dona Neuza, uma senhora simples que estava ali a trabalho. Não fui a primeira a abraçá-la, pelo contrário, fui a “última”. Enquanto eu a abraçava, disse a ela que a libertação chegaria ao lar dela (isso queimava forte em meu peito). Nesse momento ela começou a chorar. Quando me separei do abraço, o Mizael teve a iniciativa de orar por ela, e pedi que a oração fosse por sua família. Ela chorava muito. Após a oração, pude conversar um pouco com dona Neuza, e ela me disse que fazia tempo que não recebia tanto carinho e que precisava muito disso. Ela também me confessou que dois dos seus filhos estavam envolvidos com drogas e que ela já estava sem forças para lutar, mas que, através de tudo que fizemos ali, sentia como se fossem renovadas suas forças e que em breve levaria o testemunho ao nosso culto. Esse foi o momento que mais me marcou ali!

:: Comunicação Manifeste-se