Created with Snap

Notícias

Estudo de GC: A multiplicação dos pães e peixes

Nenhum Comentário
Foto: unsplash.com

Foto: unsplash.com

Tema: A multiplicação dos pães e peixes

Texto base: João 6.1-15

Exposição do texto: O relato da multiplicação dos pães e peixes aparece nos evangelhos sinóticos e com mais detalhes na exposição do apóstolo João. Esse é um dos sete sinais descritos nesse evangelho com o objetivo de apresentar Cristo como Deus.

Objetivo: Neste Ano da Multiplicação em Lagoinha, estamos crendo em uma grande multiplicação em nossa igreja. Cremos que as células serão de fundamental importância nesse processo.

Contexto: João começa a dizer que Jesus atravessa o mar da Galileia e vai para o outro lado, perto da cidade de Tiberíades. O evangelista João tem um propósito bem claro nesse livro: levar seus leitores a contemplarem a pessoa e a obra de Cristo, a fim de colocarem Nele sua fé. Por isso João seleciona alguns milagres de Jesus para reforçar seu argumento. Os únicos milagres mencionados por João registrados também nos outros evangelhos são esses narrados nesse capítulo: a multiplicação dos pães e peixes e Jesus andando sobre o mar. Obviamente, esses dois milagres atendem perfeitamente ao seu propósito de enfatizar a divindade de Cristo. O milagre da multiplicação dos pães e peixes é o mais documentado e o mais público dos milagres. Está registrado em todos os evangelhos. Embora João omita vários detalhes do registro dos evangelhos sinóticos, ele oferece outros pormenores que não estão contemplados naqueles.

1. AS PRESSÕES DA VIDA NOS LEVA À MULTIPLICAÇÃO: Ao observarmos a multiplicação dos pães e peixes na visão dos evangelhos sinóticos, percebemos algo importante para nossas vidas em 2019, o Ano da Multiplicação.

• A multiplicação acontece depois de uma grande perda: “E Jesus, ouvindo isto, retirou-Se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo o povo, seguiu-O a pé desde as cidades” (Mateus 14.13). O texto da multiplicação no evangelho de Mateus começa. Não era qualquer pessoa que havia morrido, não era um desconhecido, era João Batista, o precursor de Jesus, aquele que O batizou, Seu primo, filho de Isabel e Zacarias, o profeta anunciado por Isaías. A morte de João era o prelúdio de como a historia de Jesus terminaria. No Ano da Multiplicação, não vamos temer as más notícias. “Não temerá más notícias; seu coração está firme, confiante no Senhor” (Salmos 112.7). Não deixe as más notícias te paralisarem; continue, pois seu milagre de multiplicação está logo à frente.

• A multiplicação acontece depois da fadiga de muito trabalho: “Havia muita gente indo e vindo, ao ponto deles não terem tempo para comer. Jesus lhes disse: Venham comigo para um lugar deserto e descansem um pouco. Então eles se afastaram num barco para um lugar deserto” (Marcos 6.31-32). A razão de Jesus ter ido para um lugar deserto foi o volume de trabalho dEle e dos discípulos. O evangelista Marcos diz: “Ao ponto deles não terem tempo para comer”. O propósito de Jesus era levá-los para um lugar de descanso. “Venham comigo para um lugar deserto e descansem um pouco.” 2019 será um ano de muito trabalho. Os discípulos foram comissionados a irem de casa em casa, passando pelas cidades, pregando o Evangelho, curando os enfermos e muito mais. Agora Jesus os leva para um lugar de descanso e ali acontece a multiplicação. E o interessante é que os discípulos participam da organização e distribuição dos pães e peixes multiplicados, ou seja, trabalharam. Diferente do que muitos pensam, o lugar de descanso não é um lugar de ociosidade, o lugar de descanso é o que Deus prometeu a Moisés: “Respondeu o Senhor: Eu mesmo o acompanharei e lhe darei descanso” (Êxodo 33.14). O lugar de descanso é o lugar da multiplicação. O homem só tem condição de cumprir o mandato da multiplicação (Gênesis 1.28) no descanso do Senhor. Deus criou o homem e lhe deu esta ordem: “Deus os abençoou e lhes disse: Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra” (Gênesis 1.28). O homem foi criado no sexto dia, e o seu primeiro dia na terra foi o sétimo dia do descanso de Deus. Quando entramos no descanso do Senhor, a multiplicação acontece. John MacArthur com perspicácia disse que, à medida que a passagem se desenrola, o Senhor proporciona descanso para o cansado, verdade para o perdido e alimento para o faminto.

2. A MULTIPLICAÇÃO EM MEIO ÀS NECESSIDADES: Em nenhum dos evangelhos é relatada, nesse momento da multiplicação, alguma necessidade de Jesus e dos discípulos. Era a multidão que estava faminta, a necessidade era deles. Eu e você temos uma promessa: “O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as Suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus” (Filipenses 4.19). Em 2019 você será um agente de multiplicação. João diz que: “Levantando os olhos e vendo uma grande multidão que se aproximava, Jesus disse a Filipe: Onde compraremos pão para esse povo comer?” (João 6.5). Não devemos viver só para nós. Um exemplo que gosto muito é do apóstolo Paulo. Veja o que ele nos ensina: “Assim, de boa vontade, por amor de vocês, gastarei tudo o que tenho e também me desgastarei pessoalmente. Visto que os amo tanto, devo ser menos amado?” (2 Coríntios 12.15).

Conclusão: “Tomando Ele os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e, partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e por todos repartiu também os dois peixes” (Mc 6.41). Esta é uma boa lição para nós: em vez de reclamar sobre o que não temos, devemos dar graças a Deus por aquilo que temos. Embora nenhum dos evangelhos afirme explicitamente onde a multiplicação do pão ocorreu, o tempo parece indicar que o pão se multiplicou nas mãos de Jesus. O verbo “partir” está no tempo imperfeito, significa algo como “partiu o pão e continuou partindo”. É assim que devemos viver em 2019, a realidade desta palavra: MULTIPLICAÇÃO, hoje, amanhã e até o dia 31 de dezembro de 2019.