Created with Snap

Notícias

Vida espiritual

Nenhum Comentário

Estudo de CélulaTexto Base: 1 Tessalonicenses 5.23

“E todo o vosso espírito e alma e corpo sejam conservados plenamente irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Conforme se entende da carta de Paulo aos Tessalonicenses e do texto de Hebreus 4.12, o ser humano é composto por três partes: corpo, alma e espírito, cada qual com suas próprias características, capacidades e necessidades. O corpo físico tem cinco sentidos para se relacionar com o meio ambiente (visão, audição, tato, paladar e olfato). Ele precisa comer, beber, respirar, repousar etc. A alma reúne as faculdades do intelecto, memória, vontade e emoção. Nesse contexto estão as necessidades psíquicas, emocionais e cognitivas. Através do corpo, a alma se relaciona com o mundo material. O espírito é a parte do ser humano que se relaciona com o mundo espiritual. O espírito também tem seus sentidos e suas necessidades. Existe visão espiritual, audição espiritual etc. O espírito precisa ser alimentado com a palavra de Deus (Mateus 4.4). Entre suas faculdades, destacam-se a vontade e a fé. Ele tem necessidade de comunhão com Deus e capacidade de adorar.

Muitos vivem em função de suas necessidades físicas. Alguns chegam ao extremo da idolatria do corpo. Outros são mais dedicados às necessidades da alma, seja pela busca das emoções ou por meio do intelectualismo. Em contrapartida, encontra-se a espiritualidade, que consiste na busca e dedicação a Deus. Precisamos buscar um equilíbrio entre esses aspectos da nossa vida. Os que se esquecem da espiritualidade ou a buscam de forma errada acabam por se sentirem insatisfeitos, apesar de todas as conquistas físicas e emocionais, como acontecia com a mulher samaritana (João 4).

Para refletir: 

1) O culto a Deus é uma atividade física em sua essência? O corpo participa, mas o culto é, sobretudo, espiritual.

2) Como o jejum pode colocar ordem na relação corpo-alma-espírito? O jejum é um exercício de domínio do espírito sobre a alma e o corpo.

3) Como as obras da carne e o fruto do espírito (Gl 5.19-22) demonstram a parte dominante em nossas vidas? O que nos domina determina nosso modo de viver, nosso comportamento.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade