Created with Snap

Vida Cristã

Cristão e Política: encarcerados?

Nenhum Comentário
Foto: pexels.com

Foto: pexels.com

“Levantando-se, porém, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele, isto é a seita dos saduceus, tomaram-se de inveja, prenderam os apóstolos e os recolheram à prisão pública” (Atos 5.17-18).

Desde a ressurreição de Cristo, há mais de 2000 anos, as trevas militam de todas as formas para estancar o avanço do Reino de Deus pela terra.

Em toda a história podemos perceber estratégias do mal para calarem o poder do evangelho de Cristo. Os apóstolos pregavam o evangelho e realizavam sinais e prodígios no nome de Jesus. Muitos eram alcançados pela Palavra e curados pelo poder de Deus, até que, no capítulo 5, versos 17-18, as trevas se manifestam por meio do poder político e religioso da época. O grupo dos saduceus, tomados por inveja, perdendo a popularidade, decide encarcerar os apóstolos. Por detrás deste ato público estava a estratégia do mal de encarcerar não aqueles apóstolos, mas o evangelho de Cristo. Mero engano!

Todas as tentativas de calar o evangelho sucumbiram ao longo da história, dando início a um crescimento vertiginoso de mais e mais pessoas rendidas a Cristo. Naquela mesma noite, um anjo do Senhor abriu as portas do cárcere e lhes ordenou que voltassem ao templo, e continuassem pregando a Palavra de Deus. Deus não os libertou para estarem seguros e confortáveis. Deus os libertou para que a obra Dele não fosse interrompida, independente do ambiente no qual estavam.

A perseguição ao evangelho se perpetua nos dias de hoje em todas as nações da terra. No Brasil, manifesta-se por meio de perseguição ideológica. Ela está presente nas escolas, universidades, na política, etc. Cristãos são acusados de serem intolerantes. Quando se posicionam, logo são achincalhados, ridicularizados. O Jesus que liberta homens e mulheres das drogas, do mundo do crime, da depressão, que livra crianças do suicídio, continua sendo escarnecido. A todo tempo, o “politicamente correto” tenta nos encarcerar na prisão do constrangimento e do medo.

Na semana passada, na Comissão de Direitos Humanos, a Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, foi mais uma vez ridicularizada por uma deputada, por relatar publicamente a manifestação de Jesus em um pé de goiaba. Damares foi abusada sexualmente durante muitos anos, até que ela foi tocada por Cristo e Ele a curou. O que era para ser motivo de alegria tornou-se escarnio.

A história de Damares se repete em muitos lares no Brasil. Não podemos temer o escárnio, esta é a manifestação da perseguição, precisamos avançar! O mesmo Jesus quer encontrar outras “Damares” pelos pés de goiaba do Brasil. Jesus tirou Damares da prisão do medo, da vergonha e a colocou em uma posição onde ela trabalha para que histórias como esta não se repitam. Seu ministério tem trabalhado incessantemente para que casos de abusos sejam reduzidos drasticamente no Brasil.

Deus não nos tira da prisão para fugirmos, mas para que voltemos ao local em que fomos presos e continuemos o trabalho. O evangelho jamais se curvará a qualquer tipo de perseguição. Que possamos permanecer firmes até que Ele volte!

:: Carlos Said Pires [Grupo de Ação Política – GAP]

  ibl_site