Created with Snap

Vida Cristã

Cristão e Política: um legado de justiça

Nenhum Comentário
Foto: unsplash.com

Foto: unsplash.com

“O governante sem discernimento aumenta as opressões, mas os que odeiam o ganho desonesto prolongarão o seu governo” (Provérbios 28.15).

O ano de 2019 começou com a posse de um novo presidente da República e mais 27 governadores. O quadro político, social e econômico do país e dos estados herdados pelos novos governantes é caótico. O Brasil clama por transformações radicais em diversas áreas. As urnas claramente demonstraram a insatisfação geral do povo brasileiro ao renovar boa parte dos nossos políticos. Certamente, não será da noite para o dia que o governo federal e os governos estaduais conseguirão reestabelecer a ordem política, social e econômica. Infelizmente, haveremos de pagar durante alguns anos pelas mazelas de governos anteriores.

O livro de Provérbios, no capítulo 28, versículo 15, diz que o governante sem discernimento aumenta as opressões. Governante sem discernimento é todo aquele que governa para si mesmo e para grupos específicos, sem pensar coletivamente. Ele não tem compromisso em governar com justiça e não se cansa de se corromper. As atitudes de governantes assim trazem consequências desastrosas para o povo.

Um exemplo claro dessa situação é o Estado do Rio de Janeiro. Os últimos governadores estão todos presos por participarem de vultosos esquemas de corrupção, enquanto milhares e milhares padecem nos hospitais públicos sem estrutura. A opressão aumenta quando governantes sem discernimento estão no poder.

No mesmo versículo, Salomão diz que os que odeiam o ganho desonesto prolongarão o seu governo. Governos que mudam a lógica cultural da corrupção, do “velho jeitinho”, em prol da justiça, perpetuam o seu legado para futuras gerações.

Em Provérbios 29.2, diz que quando um justo governa o povo se alegra. Muitos são os benefícios sociais, políticos e econômicos decorrentes das ações de governos justos. Quantos governos são lembrados com muito saudosismo pelas pessoas que viveram períodos de prosperidade e ordem social! As ações do governo justo tornam-se inspirações para as gerações posteriores e são exemplos que devem ser seguidos.

Que o governo federal e todos os estaduais possam trilhar o caminho de abominação da corrupção, que possam governar com justiça, e dessa forma prolongar não um mandato, mas um legado de ordem e progresso para futuras gerações.

:: Carlos Said Pires [Grupo de Ação Política – GAP]

  dayanecristina