Created with Snap

Vida Cristã

É melhor perder uma disputa do que perder a vida

Nenhum Comentário

Devocional“Tendo eles chegado a Cafarnaum, aproximaram-se de Pedro os que cobravam as didracmas, e lhe perguntaram: O vosso Mestre não paga as didracmas? Disse ele: Sim. Ao entrar Pedro em casa, Jesus Se lhe antecipou, perguntando: Que te parece, Simão? De quem cobram os reis da terra imposto ou tributo? Dos seus filhos, ou dos alheios? Quando ele respondeu: Dos alheios, disse-lhe Jesus: Logo, são isentos os filhos. Mas, para que não os escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir e, abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o, e dá-lho por mim e por ti” (Mateus 17.24-27).

Em outra ocasião, Jesus apoiou o pagamento do imposto romano, ao dizer: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, mas, no texto acima, o Mestre deixou claro que o imposto mencionado não era devido pelos nativos de Israel. Haveria nisso alguma contradição? Não. Esse imposto das didracmas (tipo de moeda grega) era cobrado pelos judeus para a manutenção do templo em Jerusalém, não sendo, portanto, aquele dinheiro romano devido a César. Também não se tratava de cobrança ordenada por Moisés, mas, sim, de uma criação judaica posterior.

Apesar de não considerar legítima a cobrança, Jesus Se sujeitou ao pagamento afim de não provocar escândalo. Quantas vezes adotamos posturas inflexíveis em diversas situações, principalmente quando estamos com a razão! Mas Jesus, embora certo em Suas convicções, foi transigente e pagou o imposto. Muitas vezes, mesmo estando errados, queremos fazer valer a nossa vontade, mas Cristo renunciou ao Seu direito. Isso nos mostra a importância de evitarmos contendas e escândalos. É melhor perder uma disputa do que perder uma vida ou fechar uma porta que poderia ser usada como entrada para o Evangelho. Naquele momento, Jesus fez algo diferente de Suas convicções, e pode ser necessário que façamos também, em alguma ocasião, para que um propósito maior seja alcançado ou, no mínimo, não seja obstruído. Isso não significa a adoção de uma postura politicamente correta em toda e qualquer situação. Jesus Se sujeitou àquela cobrança pois sua prática não era pecaminosa. Se esse fosse o caso, teríamos, por parte do Mestre, uma atitude rigorosa, ainda que Lhe custasse a própria vida.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade

  dayanecristina