Created with Snap

Vida Cristã

Fora do script

Nenhum Comentário
Foto: Unsplash

Foto: Unsplash

Ana foi uma das mulheres que mais se destacaram na história bíblica. Por muito tempo, ela foi humilhada por causa de sua esterilidade.

Certo dia, quando foi com a família ao tabernáculo, Ana orou e chorou, derramando sua alma perante Deus (1Sm 1.10-15). Houve tal intensidade em sua oração, que tocou o coração do Pai.

Examinando todo o regulamento de Moisés para o culto judaico, não encontramos uma ordem para que as mulheres fossem orar e chorar no tabernáculo ou no templo.

Os rituais eram realizados apenas pelos homens e não incluíam o que aquela mulher fez. Ana não ficou esperando que o marido orasse por ela. Ele fazia a sua parte, trazendo a família para o culto e oferecendo o sacrifício, mas Ana sentiu a necessidade de fazer algo mais.

Ela surpreendeu a todos ao realizar o que não foi ordenado por Moisés. (Felizmente, também não era proibido).
Se houvesse uma ordem nesse sentido, não haveria espontaneidade. Será que fazemos apenas o que foi mandado, ou nem isso?

Deus deixou muitas coisas a cargo da nossa própria iniciativa. Assim, podemos buscar a Deus de uma forma que vá além das leis, dos costumes e tradições, porém coerente com os princípios divinos.

Então, nossas experiências com Deus também serão surpreendentes. Ana queria um filho. Seu pedido foi atendido e nasceu Samuel, um dos maiores profetas que este mundo já conheceu.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade

  ibl_site