Created with Snap

Vida Cristã

Pequenas sementes, grandes frutos

Nenhum Comentário

DevocionalAs sementes, em geral, são discretas quanto à sua forma, cor e tamanho. Não costumam chamar atenção para si. Quando são semeadas então, desaparecem no solo, como se não mais existissem. Contudo, com o tempo, e no mais absoluto silêncio, seu implacável poder manifesta a vida para a perpetuação de sua espécie. A semente vira planta que nasce, cresce, lança raízes, caules, ramos, folhas, flores e frutos. Estes costumam ser coloridos e atraentes, levando em seu interior novas e numerosas sementes.
Tudo isso, além de retratar a realidade dos vegetais, ilustra de forma perfeita diversos aspectos da vida humana, tanto para o bem quanto para o mal.  Nossas palavras, atitudes e ações são sementes, muitas vezes discretas ou até mesmo secretas.

Você pode esconder suas sementes e pensar que estão mortas e sepultadas, mas os frutos serão numerosos e não poderão ser escondidos. Sementes ocultas, frutos revelados. Isto é bom ou ruim? Dependerá das sementes que selecionamos, conforme as escolhas que fizemos. A semente do homem, por exemplo, pode ser oculta na mulher, mas a gravidez manifesta ao mundo sua existência. O mesmo ocorre com o pecado, que pode escondido ou começar discretamente, com uma mensagem, uma ligação, um contato, mas, uma vez germinado, desencadeia uma série de frutos multiplicados que não se conseguirá esconder, apesar de todos os esforços. Foi assim com Davi, quando pecou com Bateseba. “Os pecados de alguns homens são manifestos antes de entrarem em juízo, enquanto os de outros descobrem-se depois. Da mesma forma também as boas obras são manifestas antecipadamente; e as que não o são não podem ficar ocultas” (1Tm.5.24-25). As boas sementes também, ainda que sejam imperceptíveis ou invisíveis e desvalorizadas, produzirão frutos abundantes que por todos serão vistos. Novamente, vejamos as palavras de Paulo a Timóteo: “Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. Até que eu vá, aplica-te à leitura, à exortação, e ao ensino. Não negligencies o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbítero. Ocupa-te destas coisas, dedica-te inteiramente a elas, para que o teu progresso seja manifesto a todos” (1Tm.4.12-15).

O bem e o mal feitos discretamente serão recompensados em público (Mt.6.1-6,18). É o que acontece ao atleta. Sua negligência ou dedicação nos treinos particulares determinarão seu desempenho e reconhecimento nas competições. Os bons frutos, por todos vistos e admirados, causarão inveja naqueles que não viram o sacrifício da semeadura. Enfim, escolhamos bem as nossas sementes, sejamos dedicados ao Senhor e a nossa colheita será abençoada.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade

  dayanecristina