Created with Snap

Vida Cristã

Sejam movidos por íntima compaixão

Nenhum Comentário

DevocionalQuando Paulo escreveu aos gregos de Corinto, ele estava consciente acerca do contexto filosófico de seus destinatários. Tendo avançado da mitologia à filosofia, muitos pensadores helênicos julgavam-se sábios. Então o apóstolo, embora valorizasse o conhecimento e a sabedoria, enfatizou a fé acima da teoria e o poder acima das palavras.

“Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes” (1Co 1.19). “E a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus” (1Co 2.4-5). “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia” (1Co 3.19).

O conhecimento natural é importante, mas corremos o risco de ficar muito satisfeitos com ele, mesmo sendo deficientes no que diz respeito à fé e ao poder. Nesse caso, teremos apenas a letra, que mata. Paulo enfatiza, portanto, a ação do Espírito Santo nos crentes por meio dos dons espirituais (1Co 12). Todavia o apóstolo deixa claro que conhecimento, fé e poder serão insuficientes ou até mesmo inúteis sem o amor: “O conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica. Quem pensa conhecer alguma coisa ainda não conhece como deveria” (1Co 8.1-2). “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E, ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria” (1Co 13.1-2).

O cristão não será identificado pelo seu grande conhecimento, fé ou poder, mas pela demonstração do amor de Cristo. Diante dos perdidos e necessitados deste mundo, de nada valerá nosso conhecimento se não houver em nós o mesmo sentimento que houve em Jesus (Fp 2.5). Ele não ficava indiferente ao sofrimento alheio, mas era “movido por íntima compaixão” (Mt 14.14; 20.34; Lc 7.13). O conhecimento, a fé e o poder, embora necessários, talvez não sejam capazes de nos mover, mas a compaixão, produzida pelo amor, pode nos levar a agir a favor do nosso semelhante.

:: Pr. Anísio Renato de Andrade

  dayanecristina